Vale do Sinos. Estagnação da saúde impede melhoria do desenvolvimento socioeconômico

Revista ihu on-line

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco sugere reformulação do Pai Nosso. O problema? A tradução da frase 'Não nos deixeis cair em tentação'

    LER MAIS
  • Brasil tem maior concentração de renda do mundo entre 1% mais rico

    LER MAIS
  • “As redes sociais estão dilacerando a sociedade”, diz um ex-executivo do Facebook

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: João Conceição | 17 Junho 2017

O Índice de Desenvolvimento Socioeconômico – IDESE do Rio Grande do Sul cresceu 1,4% entre 2013 e 2014. O IDESE do estado no ano de 2013 foi de 0,747 e 0,757 no ano de 2014. Esses números indicam que o Rio Grande do Sul possui nível médio de desenvolvimento socioeconômico. O IDESE do Conselho Regional de Desenvolvimento Socioeconômico – Corede do Vale do Sinos cresceu 1,10% também entre 2013 (0,727) e 2014 (0,735), o que coloca o Corede Vale do Sinos na 19ª colocação entre os 28 Coredes do Rio Grande do Sul.

Os dados do Índice foram divulgados pela Fundação de Economia e Estatística – FEE. O Observatório da realidade e das políticas públicas do Vale do Rio dos Sinos – ObservaSinos, programa do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, acessou os dados do Índice de Desenvolvimento Socioeconômico disponibilizados pela FEE para o Corede do Vale do Sinos.

Eis o texto:

O Índice de Desenvolvimento Socioeconômico – IDESE é divulgado desde 2007 para municípios, microrregiões, Conselhos Regionais de Desenvolvimento Socioeconômico – Coredes e para o Rio Grande do Sul. O IDESE faz um diagnóstico da situação socioeconômica desses territórios, levando em conta aspectos quantitativos e qualitativos do processo de desenvolvimento socioeconômico. 

Apesar de ser um indicador-síntese, o IDESE é uma das possibilidades para o planejamento, avalição e controle dos indicadores socioeconômicos, bem como fornece informações relevantes para os agentes formularem políticas públicas. O IDESE é composto por 12 indicadores, divididos em educação, saúde e renda. A metodologia do estudo e as variáveis inseridas em cada dimensão estão disponíveis na página da FEE.

O IDESE do Rio Grande do Sul cresceu 1,4% entre 2013 e 2014: no ano de 2013 foi de 0,747 e no ano de 2014 foi de 0,757. Esses números indicam que o Rio Grande do Sul possui nível médio de desenvolvimento socioeconômico. O gráfico abaixo apresenta a evolução positiva do IDESE do estado desde o início da série.

O gráfico a seguir apresenta os resultados do IDESE por bloco da educação, renda e saúde. O bloco saúde é o que mais colabora para que o Índice do Rio Grande do Sul seja de médio desenvolvimento socioeconômico. Entretanto, esse bloco tem apresentado comportamento relativamente estável ao longo dos anos. Em 2013, o bloco saúde já havia registrado índice de 0,809, passando para 0,813 em 2014. O índice do bloco renda aparece na segunda colocação dos blocos do IDESE. O índice foi de 0,763 em 2014, com aumento de 1,3% em relação ao ano anterior (0,753). Por fim, na terceira colocação entre os blocos, aparece o bloco educação, que mesmo apresentando evolução desde 2007 registrou índice de 0,697 em 2014, o que representou um aumento de 2,6% em relação a 2013, quando o índice registrado foi de 0,679.

O município de Carlos Barbosa apresenta o maior índice de desenvolvimento socioeconômico do Rio Grande do Sul. O IDESE do município em 2014 foi de 0,892. O que mais colabora para o alto nível de desenvolvimento socioeconômico do município é o bloco renda (0,956) e o bloco educação (0,836). Isso mantém o município de Carlos Barbosa na frente de Nova Bassano, o município com o segundo maior IDESE do estado (0,867). Ambos os municípios são do Corede da Serra

O município de Dom Feliciano, pertencente ao Corede Centro Sul, ficou na última colocação do IDESE do Rio Grande do Sul (0,576). Os municípios de Alvorada, do Corede do Delta do Jacuí (0,576), e Jaquirana, do Corede das Hortênsias (0,585), apresentaram também baixos níveis de desenvolvimento socioeconômico, ocupando a penúltima e antepenúltima posição, respectivamente.

O ObservaSinos acessou os dados do IDESE disponibilizados para o Corede do Vale do Sinos. Os dados para a região apresentam a mesma tendência de crescimento do IDESE do Rio Grande do Sul. O IDESE da região cresceu 1,10% entre 2013 e 2014.O Índice do estado no ano de 2013 foi de 0,727 e de 0,735 no ano de 2014, o que, segundo o IDESE, é uma região de nível médio de desenvolvimento socioeconômico. O gráfico abaixo aponta para a direção de evolução positiva e, ao mesmo tempo, revela uma relativa estagnação entre 2010 e 2011. Tal fato pode estar colaborando para que o IDESE do Corede do Vale do Sinos esteja abaixo do IDESE do estado.

Assim como no Rio Grande do Sul, o bloco saúde também apresenta uma relativa estagnação no Vale do Sinos, especialmente nos últimos três anos, quando os índices foram respectivamente: 0,790; 0789; 0,790. A renda é o segundo bloco que se destaca no IDESE do Vale do Sinos, embora também tenha havido estagnação em determinados períodos, como em 2007 e 2008; 2011 e 2012. O bloco educação apresenta desde 2007 avanço de 0,594 para 0,680 em 2014, embora ainda mantenha o bloco na terceira colocação do Índice no Vale do Sinos.

Os dados do IDESE dos 14 municípios do Vale do Sinos estão expostos na figura abaixo. A primeira informação que pode ser extraída dos dados é que tanto IDESE quanto os seus blocos saúde, renda e educação estão abaixo da média do Rio Grande do Sul. O município com o maior desenvolvimento socioeconômico do Vale do Sinos é Ivoti, com índice de 0,824, bem acima da média do Rio Grande do Sul, sendo que em 2013 o município com o maior índice era Dois Irmãos.

Já o município de Sapucaia do Sul possui o menor IDESE do Vale do Sinos (0,686). O que impactou bastante no resultado foi o bloco renda, com um índice de 0,613 – o menor entre os 14 municípios. Canoas apresentou o menor Índice no bloco educação da região, assim como Araricá teve o menor resultado no bloco saúde do Vale do Sinos (0,757).

Leia Mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vale do Sinos. Estagnação da saúde impede melhoria do desenvolvimento socioeconômico - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV