Novos desafios para o pensamento social da Igreja. Uma ética para a digitalização? Artigo de Domingo Sugranyes Bicke

Revista ihu on-line

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Pier Paolo Pasolini Um trágico moderno e sua nostalgia do sagrado

Edição: 504

Leia mais

A ‘uberização’ e as encruzilhadas do mundo do trabalho

Edição: 503

Leia mais

Mais Lidos

  • A cada porrada em dependente de crack, o metro quadrado sobe de preço em SP

    LER MAIS
  • Exceto o poder, tudo é ilusão. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • CNDH levanta hipótese de vingança de policiais em massacre de Pau D’Arco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

19 Maio 2017

“Poderia até ser cedo demais para tirar conclusões e juízos com base no pensamento social católico. As perguntas, no entanto, se encaixam perfeitamente no campo de interesse da Igreja: cada questão ética relacionada com a digitalização leva inevitavelmente a temas de cultura e de comunicação, ecoando as perguntas sobre a pessoa, a comunidade e os pressupostos morais. Há amplo espaço para novas pesquisas éticas, e ter grupos e comunidades eclesiais que dediquem seus esforços para refletir sobre esses problemas é uma necessidade”, escreve Domingo Sugranyes Bicke, presidente da Fundação Centesimus Annus Pro Pontifice, em artigo publicado por L'Osservatore Romano, 17/05/ 2017 . A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

O desafio para organizações e profissionais é ver a mudança digital como uma oportunidade para se adaptar, aprender e progredir. As empresas devem tomar as decisões de investimento de risco em um mundo de informação a baixo custo e alto volume de disponibilidade. Neste ambiente revolucionário, em que a informação é o novo petróleo da economia, os papéis dos consumidores e dos produtores confundem-se e os modelos de trabalho tradicionais sofrem profundas modificações.

Os resultados tecnológicos são ambivalentes: por exemplo, a inteligência artificial aplicada ao progresso da medicina não impede que milhares de mortes ocorram diariamente por causa de doenças curáveis. Mas, a inclusão contra o "grande fosso" pode ser viável graças à tecnologia digital, por exemplo, através da disponibilização de telefones celulares ou oportunidades de educação à distância. E, no entanto, em nosso mundo, quatro bilhões de pessoas ainda não têm acesso à internet.

Nos últimos dois séculos, as preocupações sobre o trabalho na economia de mercado vêm se repetindo. Atualmente, a ameaça de robôs e computadores que devoram o homem parece mais grave do que nos ciclos históricos anteriores, já que nos últimos anos há um déficit de empregos em relação ao crescimento, e os salários estagnaram em comparação com outros fatores de produção. O colapso atingiu principalmente os trabalhos menos qualificados, no setor manufatureiro, empregatício e administrativo, enquanto que as faixas mais altas e baixas na taxa de emprego foram menos afetadas.

No entanto, a grande maioria dos empregos que hoje existem seria inimaginável apenas 70 anos atrás: mais do que o fato de que algumas funções desaparecem e outras nascem, os verdadeiros problemas talvez residam nas barreiras educacionais e institucionais para as mudanças. A digitalização corre rápida, mas os resultados são ainda difíceis de prever e não oferecem um modelo claro para uma formação profissional específica.

A inovação tecnológica também cria novos cenários competitivos, onde algumas posições oligopolistas apoiam-se, por um período limitado de tempo, sobre uma vantagem tecnológica temporariamente exclusiva, e não na dimensão ou fatia de mercado. Uma segmentação capilar dos consumidores pode impedir a formação de um preço de mercado determinado pela lei da oferta e procura.

Os dados fornecidos pelos consumidores, juntamente com aqueles das transações bancárias e das informações a disposição do público são processados e analisados para compreender e prever os comportamentos. Embora por lei os big data devam ser anônimos, as possibilidades de análise cruzada estão mudando os limites do conceito de dados pessoais.

Surge então a dúvida se a batalha pela confidencialidade já não está perdida de antemão. As leis estão rapidamente se adequando, no caso da União Europeia, por exemplo, não para controlar a tecnologia, mas para tutelar os consumidores e garantir que os princípios desenvolvidos no âmbito da economia de mercado possam ser mantidos e aplicados no novo contexto tecnológico.

Os valores cultivados e aplicados na família e na comunidade são muitas vezes esquecidos quando as mesmas pessoas estão atrás de suas mesas em uma empresa. Este fato não desaparece com a digitalização, aliás: o imperativo tecnológico - tudo o que é tecnicamente possível é considerado legítimo - pode prevalecer e até mesmo tornar mais difícil unificar valores morais, comportamento e incentivos.

Poderia até ser cedo demais para tirar conclusões e juízos com base no pensamento social católico. As perguntas, no entanto, se encaixam perfeitamente no campo de interesse da Igreja: cada questão ética relacionada com a digitalização leva inevitavelmente a temas de cultura e de comunicação, ecoando as perguntas sobre a pessoa, a comunidade e os pressupostos morais. Há amplo espaço para novas pesquisas éticas, e ter grupos e comunidades eclesiais que dediquem seus esforços para refletir sobre esses problemas é uma necessidade.

A cultura do encontro, expressão usada frequentemente pelo Papa Francisco, requer hábitos que promovam o bom uso dos recursos tecnológicos, bem como o cuidado com as relações humanas. Contra as prevalecentes versões utilitaristas, positivistas ou emocionais da ética, o pensamento social católico tradicionalmente volta à atenção para teorias objetivas enraizadas na capacidade de discernir o certo do errado.

Quanto às novas perspectivas de emprego e trabalho “Convém recordar sempre que o ser humano é «capaz de, por si próprio, ser o agente responsável do seu bem-estar material, progresso moral e desenvolvimento espiritual ». (...) Por isso, a realidade social do mundo atual exige que, acima dos limitados interesses das empresas e duma discutível racionalidade econômica, «se continue a perseguir como prioritário o objetivo do acesso ao trabalho para todos»” (Laudato si´,127).

Existe o risco de um vácuo moral sempre que as decisões são tomadas por máquinas ou algoritmos de inteligência artificial: na ausência de um agente moral não existe responsabilidade humana e isso leva a um território inexplorado da história humana. Diante dessa radical incerteza, o diálogo traz algumas pistas de investigação: se a informação é o principal recurso da economia e tem um valor monetário mensurável, então os dados devem ser tratados com a mesma atenção e com os mesmos princípios do dinheiro em nome de terceiros. Assim como existe um código universal de ética para tratar de bens, serviços e dinheiro, deveria existir algo similar para os dados.

A revolução digital, juntamente com outros fatores de mudança, exige que a atenção seja deslocada da tutela dos postos de trabalhos para a tutela dos trabalhadores com benefícios sociais flexíveis e a possibilidade de formação e treinamento em um mundo em mudança.

Precisamos de uma reforma radical da educação, que se descole do programa de ensino secundário/universitário universal para se direcionar a alternativas mais flexíveis que promovam a aprendizagem continuada, a empregabilidade e a capacidade de julgamento moral.

A regulamentação é muito lenta para acompanhar a inovação; portanto, a sociedade e a economia devem promover uma reflexão cultural corporativa para gerenciar o uso de dados.

Devemos prestar mais atenção ao lado da demanda desses processos: o que os consumidores querem? Suas reais prioridades podem ser expressas e levadas em consideração? Que responsabilidades deveriam exercitar? A Igreja tem um papel importante em educar a escolha do consumidor.

Estas orientações exigem novas formas de cooperação entre o setor público e os agentes privados para mitigar os riscos relacionados com o emprego e incentivar uma liderança responsável na economia digital. Em relação ao futuro do trabalho, é imprescindível que seja encetado um diálogo geral entre empregadores e organizações de trabalhadores. Há necessidade de ambientes de encontro que criem confiança. Poderia uma plataforma baseada no pensamento social católico ser um desses locais de encontro?

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Novos desafios para o pensamento social da Igreja. Uma ética para a digitalização? Artigo de Domingo Sugranyes Bicke