Genocídio na Namíbia: o "mea culpa" dos luteranos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Como as lideranças católicas ajudaram a dar origem à violência no Capitólio dos EUA. Artigo de James Martin

    LER MAIS
  • “O trumpismo se infiltrou na Igreja Católica dos Estados Unidos”. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Irlanda, 9 mil crianças mortas em casas para mães solteiras: o 'mea culpa' de Dublin sobre 76 anos de maus-tratos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Mai 2017

A África, sob a atenção de muitos por causa da viagem que, há 10 dias, o papa fez ao Egito, está propondo ao mundo distraído outro evento que, tendo ocorrido há um século, apresenta hoje a conta para a Alemanha e, idealmente, a toda a Europa colonialista: o genocídio dos Herero.

A reportagem é de Luigi Sandri, publicada no jornal Trentino, 08-05-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O pano de fundo: as potências europeias, no fim do século XIX, considerando ter o pleno direito moral, dividiram a África entre si. Naquele contexto, Berlim assumiu, dentre outras coisas, o protetorado da Namíbia, isto é, a África do Sudoeste, um território tão vasto quanto quase três Itálias, encravado entre a Angola e a África do Sul, em grande parte desértico e pouco povoado.

Em 1904, os Herero – a maior etnia autóctone, à qual, depois, se associou a dos Nama – começaram a se rebelar contra os alemães invasores, que os tratavam duramente também na extração de diamantes: e devastaram algumas colônias, matando centenas de pessoas.

A reação das tropas de ocupação, lideradas pelo tenente-general Lothar von Trotha, foi muito dura: derrubado, na batalha, o “exército” dos nativos, os sobreviventes foram expulsos para regiões inacessíveis, onde muitos morreram de fome. Os alemães envenenaram os poços que forneciam água para os autóctones. Era morto quem se atrevesse a sair das áreas reservadas para os nativos. Outros foram usados como escravos ou como cobaias humanas em experiências médicas.

Depois de décadas de esquecimento, há cerca de 40 anos, foram missionários luteranos alemães que reabriram aquelas páginas terríveis, começando a se fazer perguntas autocríticas, porque, no início do século XX, as suas missões, embora não diretamente envolvidas na repressão dos Herero, colocaram-se, de fato, ao lado dos seus irmãos colonialistas.

E agora, no fim de abril, a própria Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) proferiu um “mea culpa” solene: “Confessamos hoje expressamente a nossa culpa para com o povo namíbio e diante de Deus. Do fundo dos nossos corações, pedimos aos descendentes das vítimas e a todos aqueles que sofreram com o papel colonial da Alemanha o perdão pelo mal cometido”.

E a bispa Petra Bosse-Huber comentou: “A nossa declaração não apagará as injustiças sofridas pelos Herero. No entanto, expressa o nosso compromisso para que o genocídio seja reconhecido como tal”.

E não: nesta quarta-feira, inicia em Windhoek, capital da Namíbia, a Assembleia Luterana Mundial, que mais uma vez se defrontará com a tragédia de um século atrás. Remorsos unicamente eclesiais? “Nada disso! De fato – diz um diplomata no Cairo – o próprio governo de Angela Merkel está tratando agora com o governo namíbio para estabelecer ressarcimentos concretos por aquilo que muitos historiadores consideram o primeiro genocídio do século XX. Geralmente, considera-se que esse ‘primado’ seja dos armênios, que, com o Império Otomano, foram exterminados a partir de 1915. Talvez, porém, devêssemos dizer que, no século passado, o primeiro genocídio foi o sofrido pelos Herero por obra dos alemães, na Namíbia, nos anos 1904 a 1907.”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Genocídio na Namíbia: o "mea culpa" dos luteranos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV