Polícia de MT prende dois suspeitos e identifica mandante de chacina em Colniza (MT)

Revista ihu on-line

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Mais Lidos

  • Um milhão de crianças fora da escola: o absurdo do trabalho infantil no Brasil

    LER MAIS
  • Papa pede boicote a bens produzidos por trabalhadores forçados

    LER MAIS
  • Discurso da esquerda não dá a Lula a menor chance de fazer bom governo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Maio 2017

A polícia do Mato Grosso prendeu nesta terça-feira (2) dois suspeitos de participar da chacina que deixou nove posseiros e trabalhadores rurais mortos em Colniza (MT), informou a Secretaria Estadual de Segurança Pública. O mandante do crime também teria sido identificado, mas está foragido e negocia a rendição por meio do advogado. Os nomes e as circunstâncias da prisão serão divulgados à tarde, em entrevista coletiva em Cuiabá.

A reportagem é publicada Folha de S.Paulo e reproduzida por Amazônia, 02-05-2017.

A chacina ocorreu no último dia 19 de abril, perto da agrovila Taquaruçu do Norte, localizada em região de difícil acesso, perto das divisas com Rondônia e Amazonas.

Os posseiros foram mortos a tiros e golpes de facões ao longo de uma picada de 9 km dentro da área disputada. Procurado pela Folha na semana passada, governo do Estado de Mato Grosso não soube identificar quem tem o título do local.

Perfil dos mortos em Taquaruçu do Norte

Sebastião de Souza, 57

Pastor da Assembleia de Deus em Guatá, distrito de Colniza a cerca de 140 km de Taquaruçu do Norte. Era um dos posseiros da linha (picada) 15, alvo de disputa. Sua casa no local já havia sido incendiada em 2014. Foi encontrado com um facão enterrado na nuca

Fábio dos Santos, 37

Trabalhava principalmente como pedreiro. Foi contratado pelo pastor Sebastião de Souza para limpar o terreno - o dia de trabalho custa cerca de R$ 55 na região. Morava em uma vila próxima e não tinha terras. Evangelista da Assembleia de Deus, deixou quatro filhos

Ezequias de Oliveira, 26

Posseiro, tinha um lote fora da área em disputa e estava no local trabalhando como diarista. Fiel da Assembleia de Deus.

Edison Antunes, 32

Outro posseiro que estava no local contratado como diarista. Era diácono da Assembleia de Deus. Tinha quatro filhos

Aldo Carlini, 50

Um dos que estavam no local trabalhando como diarista. Seu lote está fora da área em conflito

Samuel da Cunha, 23

Recém-chegado de Nova Brasilândia (RO), estava no local como diarista e também tinha lote fora da linha 15

Valmir do Nascimento, 55

Um dos três mortos que tinham lote na linha 15, área do assentamento em disputa. Foi encontrado com as mãos amarradas para trás. Tinha dois filhos.

Izaul dos Santos, 50

Posseiro da linha 15, palco de disputa. Estava no local desde o ano passado, quando comprou cerca de 200 hectares por R$ 110 mil. Respondia a um processo por homicídio simples. O seu filho e a nora são dois dos quatro que estavam na área da chacina e conseguiram fugir.

Francisco da Silva, 56

Também estava no local como diarista. Em agosto de 2015, foi multado em R$ 115 mil pelo Ibama por ter desmatado ilegalmente 22 hectares de floresta.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Polícia de MT prende dois suspeitos e identifica mandante de chacina em Colniza (MT) - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV