Um Plano Marshall para a terra. Entrevista com Carlo Petrini

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Para Bolsonaro, a crise climática é uma fantasia, “um complô marxista”. Entrevista com Eliane Brum

    LER MAIS
  • “Como vocês explicarão aos seus filhos que desistiram?”. Discurso de Greta Thunberg em Davos

    LER MAIS
  • Em São Carlos, SP, direita adota tática nazista contra manifestantes, em visita da Ministra Damares Alves

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Abril 2017

Olhemos para a saúde do planeta, mas também para a daqueles que o habitam, parece dizer Carlo Petrini, em uma singular sintonia com o Papa Francisco. Apenas se olharmos para o problema a partir dessa perspectiva é que se poderá ter um olhar mais amplo que permita conectar questões que, na agenda política, estão rigorosamente separadas: as mudanças climáticas, a produção de alimentos e as migrações, por exemplo.

A reportagem é de Angelo Mastandrea, publicada por Il Manifesto, 23-04-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O idealizador do Slow Food está convencido de que não se pode enfrentar a febre que corre o risco de levar a Terra ao fim da linha pensando apenas em aliviar os sintomas. Na opinião dele, é necessário enfrentar o mal-estar na raiz, combatendo “o insano sistema econômico” que o produz e propondo uma “mudança de paradigma” radical. Socialista e humanitária, se poderia dizer.

Eis a entrevista.

A sua receita teórica para salvar o planeta é composta por dois ingredientes fundamentais: a descolonização do pensamento e a criação de um novo modelo socioeconômico. Essa prática se resolve na proposta de um Plano Marshall para os países mais pobres.

Há dois dias, o nosso primeiro-ministro, Paolo Gentiloni, disse que é preciso aumentar as ajudas aos países de origem dos migrantes para criar empregos na casa deles. Certo, mas a verdade é que a União Europeia não faz nada. Se realmente quisesse intervir, deveria inventar uma espécie de Plano Marshall, mas ainda mais forte.

Isso significaria abandonar a austeridade, justamente aquilo que a União Europeia não quer.

Seria muito dinheiro, é claro. Em todo o caso, se nada for feito, nós vamos pagar esses custos de qualquer maneira, porque não haverá muros que se sustentarão diante da onda migratória. Essa é a batalha política mais importante na Europa de hoje, a única maneira de enfrentar o avanço dos Salvini e das Le Pen.

Nesse domingo, celebra-se o Dia Mundial da Terra, mas ninguém teve a ideia de ligá-la às migrações, como você faz.

Se não vemos a conexão entre a destruição dos ecossistemas e as migrações, não entendemos nada do que está acontecendo. A maioria das pessoas não fogem por causa das guerras, mas porque as suas perspectivas de vida são nulas. Os jovens africanos veem negado o seu direito à terra, que, antigamente, era costumeiro, porque os novos colonizadores chegam a adquiri-la legalmente, apossando-se dela a preços ridículos, graças aos governos canalhas, filhos da descolonização.

O que você entende por novos colonizadores?

Eu penso nos chineses e nos indianos, que compram milhões de hectares de terra na África para produzir alimentos que não vão para os africanos, ou nos fundos soberanos que fazem o mesmo para produzir biocombustíveis. Isso provoca a perda da biodiversidade e da fertilidade das terras, e as migrações em massa.

Depois, há os velhos colonizadores. Muitos investimentos europeus na África estão ligados à sustentabilidade ambiental.

Esse também é um campo minado. Dou-lhe um exemplo: em Uganda, o governo local disponibilizou à Noruega uma grande superfície de terras para o reflorestamento. Por si só, seria uma coisa boa, exceto que 10 mil pastores ficaram sem trabalho. É preciso aprender a decodificar as novas formas de colonialismo que se escondem por trás desses projetos, que podem ser sustentáveis do ponto de vista ambiental, mas não do social. Especialmente na África, é necessário um processo de descolonização do pensamento, até porque a história começa a nos apresentar a conta. Depois do escravismo, do colonialismo grosseiro e do mascarado dos acordos com os governos pós-coloniais, agora as pessoas começam a se rebelar. Áreas inteiras estão se desertificando por causa das mudanças climáticas, massas de deserdados não podem mais viver nessas terras. Essa situação não se sustenta.

Mas a exploração dos recursos não para.

O comportamento da humanidade nos últimos 50 anos, sem dúvida, foi irresponsável. Basta pensar no que foi feito com os desmatamentos e as extrações de minérios e de petróleo, nas quais os mais penalizados foram as comunidades locais. Se adotarmos esse ponto de vista, ter uma atenção pelos mais fracos nos leva a pensar em uma visão de ecologia integral semelhante à que foi proposta pelo Papa Francisco na encíclica Laudato si’: é necessário pensar não só na terra, mas também naqueles que a habitam. Existem formas de egoísmo e de insensibilidade que a comunidade internacional tolera há muito tempo, como se os recursos fossem infinitos. O sofrimento dos ecossistemas se soma ao das comunidades.

A sua crítica é radical ao neoliberalismo.

É preciso voltar à fonte desses comportamentos irresponsáveis. Eu acredito que a principal razão é uma lógica econômica perversa, que coloca na frente de tudo o lucro e não olha na cara de ninguém. Trata-se de um hiperliberalismo desenfreado que está destruindo o planeta em benefício de poucos. Por isso, é necessária uma mudança de paradigma. Se não pensarmos na construção de uma economia de comunidade, que olhe para as necessidades em nível local, não sairemos disso.

Depois, há a questão dos alimentos, que você foi um dos primeiros a levantar, com o Slow Food e a Terra Madre.

A questão alimentar é um dos pontos-chave, mas a comunidade internacional nunca a destacou. Fala-se das mudanças climáticas e da perda de fertilidade dos solos e não se põe em discussão a prática mais invasiva, que é a produção de alimentos. Fala-se das toneladas de plástico no mar, mas se cala sobre a pesca de arrasto para a produção de rações animais, que depreda a biodiversidade. Ou os governos começam a refletir sobre essas coisas, ou iremos rumo ao desastre. Infelizmente, as coisas não estão indo nessa direção: Trump não demonstra aquela sensação que uma das potências mundiais que têm mais responsabilidades no desastre ecológico deveria ter. Estamos em uma encruzilhada decisiva.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um Plano Marshall para a terra. Entrevista com Carlo Petrini - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV