Jesuíta é sequestrado na Nigéria

Revista ihu on-line

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Pier Paolo Pasolini Um trágico moderno e sua nostalgia do sagrado

Edição: 504

Leia mais

A ‘uberização’ e as encruzilhadas do mundo do trabalho

Edição: 503

Leia mais

Mais Lidos

  • A cada porrada em dependente de crack, o metro quadrado sobe de preço em SP

    LER MAIS
  • Exceto o poder, tudo é ilusão. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • CNDH levanta hipótese de vingança de policiais em massacre de Pau D’Arco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

21 Abril 2017

O padre jesuíta nigeriano Samuel Okwuidegbe foi sequestrado no dia 18 de abril na Nigéria, em uma estrada que liga as cidades de Benin City e Onitsha, no sul do país.


A reportagem é de Loup Besmond de Senneville e publicada por La Croix, 20-04-2017. A tradução é de André Langer.

Diretor de um centro de espiritualidade em que mora junto com outros três confrades, o padre de 50 anos estava indo à cidade vizinha, situada a 150 quilômetros de distância, para pregar um retiro. Seu carro foi encontrado pela polícia, que segue as buscas para encontrar o religioso.

“Neste momento, não temos muitos detalhes”, explica o padre Rigobert Kyungu Musenge, secretário regional dos jesuítas para a África e Madagascar. “É a primeira vez em muitos anos que um padre da Companhia de Jesus é vítima de um sequestro na região”. Duas outras pessoas foram sequestradas junto com ele.

“Nós acreditamos que ele não esteve na mira por ser padre”, continuou.

Sequestros de quadrilhas armadas

Até a quinta-feira, 20 de abril, o sequestro não foi reivindicado por nenhum grupo. Na região, os sequestros por quadrilhas armadas que exigem resgates para libertar seus reféns, não são raros. “É bem provável que esse seja desprezível. Esta estrada é particularmente perigosa, desse ponto de vista”, nota um observador ocidental que mora no país.

Em julho de 2016, o presidente da Associação dos Padres Diocesanos da Nigéria, o padre Sylvester Onmoke, mostrou preocupação com a amplitude do fenômeno do sequestro de padres ligado, segundo ele, “à corrupção e à sede de dinheiro que afligem a sociedade nigeriana”.

Em junho de 2016, o padre John Adeyi, sequestrado dois meses antes a 300 quilômetros ao sul de Abuja, a capital nigeriana, foi encontrado morto perto da aldeia em que foi sequestrado.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Jesuíta é sequestrado na Nigéria