O canto da cotovia

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco: "Ante a escandalosa corrupção e os enormes problemas sociais, o Brasil precisa que seus padres sejam sinal de esperança"

    LER MAIS
  • A era do homem endividado e a financeirização como forma contemporânea de guerra

    LER MAIS
  • “A efervescência de iniciativas que apostam na 'convivialidade' é a razão para ter esperança”. Entrevista com Edgar Morin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

20 Abril 2017

"Tudo precisa ser reinventado fora daqui, além da pedra. Há coisas para acreditar, olhar, correr, recordar, anunciar, espalhar as 'boas notícias' para o amanhã", escreve a a teóloga e biblista italiana Rosanna Virgili, professora do Instituto Teológico Marchigiano, vinculado à Pontifícia Universidade Lateranense, em artigo publicado por Avvenire, 18-04-2017. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

"É a cotovia, o arauto da aurora", fala Romeu, preocupado, a uma Julieta ainda docemente adormecida. Uma manhã que virá para interromper a noite do seu suspenso amor. Talvez também as diaconisas de Jesus não estivessem prontas para o canto da cotovia. Talvez quisessem manter a calidez daquele Sábado infinito, conjugar o circuito da vida com o sagrado torpor da morte, oficiada por suas próprias mãos, nas caricias rituais dos perfumes. Em seus gestos devotos, as miróforas teriam celebrado o silêncio de uma rendição obediente, repleta de dignidade, mas dócil contra a violência que aquela morte havia realizado, sem protestos, sem queixas. Enquanto os Doze já tinham todos partido, as mulheres, somente elas, permaneceram com o Mestre. Ele, que havia chamado os apóstolos "para ficar com ele", encontrou-se no final com um ‘corpo’ solidário de irmãs. Apenas elas não tiveram medo de segui-lo nos subúrbios do ódio, da lei corrompida, das mentiras, da crueldade, da vergonha e da maldição em que havia sido jogado. Sem dizer uma palavra, galgaram o monte da Cruz junto com ele. As pérolas de suas lágrimas marcaram o caminho de barro, misturando-se com as gotas de sangue que caiam da testa coroada do Messias.

Na piedade para com o cadáver, elas mostraram um sinal de simples humanidade e, ao mesmo tempo, de uma sublime tradição. Agora, a história tinha acabado. O papa Francisco também disse isso: elas dirigiram-se ao sepulcro com a tristeza de "quem vai ao cemitério", como haviam feito desde o início dos tempos, todas as suas antepassadas. Nenhum som de novo, mas apenas o vazio da dor e da remissão no triste desfecho daquele Sábado.

Elas não imaginavam certamente que a cotovia teria cantado. Sacudido seu ritual com um canto de despertar, com uma agitação fora do roteiro.

Um canto que chamava à urgência, à busca, à desobediência. Um desabrochar de flores, sobre a rocha do óbvio. A vida inesperada é um milagre desconfortável, quase uma incomodação, uma beleza urgente demais. Um sinal de contradição que exige mais coragem do que a necessária para lançar uma bomba a partir de uma mesa. Não, não há nenhum cadáver para untar! Não há mais tempo para concluir o curso das coisas. Não há mais espaço para os ritos. A vida grita e é preciso abandonar o sepulcro.

Tudo precisa ser reinventado fora daqui, além da pedra. Há coisas para acreditar, olhar, correr, recordar, anunciar, espalhar as 'boas notícias' para o amanhã.

Assim foi naquela manhã de Páscoa e na segunda-feira que a Igreja ainda está comemorando. A viagem ordinária das mulheres teve de mudar sua programação. Eles tinham vindo para ficar 'aqui' e tiveram que seguir para ‘além’. Estavam em Jerusalém, mas foram enviadas para a Galileia. A Vida é Evento e quando se põe em movimento atropela, perturba, subverte, inverte. Ninguém pode pará-la. O acontecimento da esperança é a única verdadeira revolução. Enquanto a morte é previsível, a Vida é fantasia, gênio, extravaso. Voz do Anjo 'navegador' do Sonho. De um primeiro Amor que as mulheres não permitiram que fosse roubado.
Na segunda-feira da Oitava de Páscoa, encontrei uma freira em Aleppo. "Por que você está aí?", perguntei a ela.

"Eu vim para a Sexta-Feira Santa, para estar com o Deus crucificado. Eu chorei em Seus membros dilacerados os membros de 68 crianças que foram despedaçadas por bombas na Síria. Porque na minha voz o seu silêncio se transformasse em profecia, denúncia, pulsar de ressurreição". Lembrei-me de um verso da sabedoria judaica: "O Senhor criou as mães, pois Ele não podia estar em todas as partes". Mães, portanto, para chorar e socorrer, mas também para acolher e abrigar no colo a oficina da vida. Prontas para abandonar o ministério da dor para se consagrar ao da Alegria.

Mulheres diferentes e realmente fortes, mulheres matrizes da fé cristã, midiaticamente ocultas, talvez as verdadeiras ‘governadoras’ do mundo. Mulheres que estão lá onde a vida acontece. Mulheres diferentes de uma Marine Le Pen, que acusa o Papa de "intrometer-se em coisas que não lhe dizem respeito" quando fala dos pobres imigrantes na Europa. Ela não sabe o que diz. E não conhece o canto da cotovia que convida a ser rápido, porque a aurora, esta sim, não pode nem esperar, nem atrasar.
Aquela mesma aurora que até mesmo Shakespeare gostaria de ter tido como início de um dia diferente.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - O canto da cotovia