Lava-pés: um gesto subversivo

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • COP26, estrada difícil: aqui estão os documentos que comprovam a resistência aos empenhos climáticos

    LER MAIS
  • Os três movimentos de Francisco

    LER MAIS
  • Papa Francisco mira na imprensa e cultura da “pós-verdade” em discurso aos movimentos populares

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Março 2017

As competências da professora de antropologia cultural Adriana Destro e as do professor emérito de história do cristianismo Mauro Pesce se unem neste livro (La lavanda dei piedi) para analisar o lava-pés contado pelo Evangelho de João (Jo 13). Gesto reservado aos escravos e/ou às mulheres, ele não deve ser considerado tanto (ou apenas) como um gesto de humildade, mas sim como gesto de inversão social de natureza subversiva.

A reportagem é de Roberto Mela, publicada no sítio Settimana News, 29-03-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Realizado por Jesus não no início, mas durante a ceia, é um gesto fora de lugar e fora do tempo, com o qual ele assume o papel do escravo para alcançar o ensinamento que não podia dar de outro modo.

O escravo podia representar e substituir o seu senhor, enquanto que, para o discípulo, isso não é possível em relação ao seu mestre.

Jo 13-17 é um processo iniciático em que os discípulos são inseridos progressivamente em um projeto utópico de comunidades novas, onde os papéis socialmente predominantes e estruturantes da sociedade greco-romana são denunciados e subvertidos através de uma gestualidade que denuncia os papéis opressivos dos senhores e pretende construir uma relação paritária em uma comunidade chamada no seu conjunto para assimilar profundamente os ensinamentos do seu mestre.

À gestualidade de Jesus, segue-se uma instrução com a qual o mestre transmite aos discípulos a mensagem iniciática sobre o fato de que, aonde Jesus vai, por enquanto, os discípulos não podem ir e, depois da explicação do gesto, a entrega do mandamento novo do amor recíproco.

Para os dois autores, não se pode e não se deve ler o Evangelho abstraindo as realidades materiais das condições sociais às quais ele se refere, sob pena de fazer uma leitura espiritualista muitas vezes enganosa e incompleta no sentido de uma contribuição muito válida oferecida pelas ciências sociais.

  • Adriana Destro, Mauro Pesce. La lavanda dei piedi. Significati eversivi di un gesto. Coleção “Lampi”. Bolonha: EDB, 2017, 112 páginas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Lava-pés: um gesto subversivo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV