Transposição do São Francisco ameaça terras indígenas

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • Nem vendilhões, nem templo. Entrevista com Vito Mancuso

    LER MAIS
  • Novo projeto de evangélicos para educação é muito mais grave que Escola sem Partido

    LER MAIS
  • “O parecer do Governo sobre demarcação indígena é um retrocesso de 50 anos no tempo”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

20 Março 2017

Povos Truká e Pipipan sofrem impactos das obras e temem ver terras alagadas antes de demarcação oficial.

A reportagem é de Renata Bessi, publicada por Repórter Brasil, 14-03-2017.

Cabrobró (PE) e Floresta (PE) - Fincados na caatinga do semiárido pernambucano, em terras secas por onde andou o cangaceiro Lampião, estão os povos indígenas Truká e Pipipan. Vivem nas proximidades do Rio São Francisco, respectivamente nas cidades de Cabrobó e Floresta, distantes 94 quilômetros uma da outra e a cerca de 600 quilômetros da capital Recife. Não faltam a eles características em comum. Habitam terras herdeiras da violência do cangaço, vivem a pior seca dos últimos 50 anos, viram seu chão sendo submerso pela represa de Itaparica em fins da década de 1980, estão no chamado polígono da maconha com inúmeros conflitos agrários, e são vizinhos de Itacuruba, cidade para a qual o governo federal guarda projeto de construção de uma usina nuclear.

Meninas do povo Pipipan

Em comum possuem também a ameaça à demarcação de suas terras, principal bandeira de reivindicação dos indígenas, pelas obras da transposição do São Francisco, uma das maiores obras de infraestrutura do governo federal. As duas tomadas de águas do rio, que serão levadas por dois canais sertão adentro, estão sendo construídas em territórios reivindicados pelos Truká e Pipipan em Cabrobó e Floresta.

Por um mês, a reportagem percorreu terras do sertão de Pernambuco e apurou questões enfrentadas por esses povos, como o conflito de terras e pela água, grileiros, desmatamento, problemas agravados com as obras da transposição.

Clique nos links abaixo para navegar por esta reportagem especial.

Terras sagradas
A relação dos povos indígenas com as terras, florestas e águas do São Francisco

Obras gigantes e incerteza de demarcação das terras Pipipan
Indígenas acompanham com apreensão abertura de novos canais

Transposição, a nova barreira para a retomada Truká
Desde a década de 1980 indígenas tentam recuperar áreas desmatadas

Conflitos e mortes marcam disputa por terras
Liderança indígena conta história da retomada dos Truká e de violências sofridas

Funai atrasa demarcação e recursos são devolvidos
Ministério da Integração havia reservado R$ 6,3 milhões para gastos

Impactos ambientais afetam comunidades indígenas
Estudos têm omissões graves e recuperação ambiental é insuficiente

Preconceito é barreira para garantir direitos indígenas
Identidade dos indígenas é questionada e perseguições continuam

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Transposição do São Francisco ameaça terras indígenas