Casal gay recebe recado homofóbico e racista em condomínio

Revista ihu on-line

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Pier Paolo Pasolini Um trágico moderno e sua nostalgia do sagrado

Edição: 504

Leia mais

A ‘uberização’ e as encruzilhadas do mundo do trabalho

Edição: 503

Leia mais

Mais Lidos

  • Não há condições éticas de Temer seguir no cargo, diz secretário-geral da CNBB

    LER MAIS
  • Brasil será denunciado na OEA por violar direitos dos povos indígenas

    LER MAIS
  • A reforma trabalhista nos leva ao fundo do poço. Artigo de Luiz Gonzaga Belluzzo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

25 Janeiro 2017

'Gente de cor e ainda por cima afeminada não está no nível dos moradores', diz o texto

A reportagem foi publicada por O Estado de S.Paulo, 25-01-2017.

O casal Júnior Santos e Maycon Aguiar recebeu um recado homofóbico e racista na última sexta-feira, 20, na casa onde moram há um mês em um condomínio no Rio de Janeiro. Com duas páginas e repleta de erros de português, a carta cita valores religiosos deturpados e pede que os dois se mudem.

"Poupe-nós [sic] e nossos filhos de conviverem com gente da laia de vocês! Gente de cor e ainda por cima afeminada não está no nível dos moram [sic] aqui por favor se retirem!", diz um trecho do recado.

Leia a carta completa:


Foto: Reprodução/Facebook /rodrigo.oliveira.9250


Foto: Reprodução/Facebook /rodrigo.oliveira.9250

Rodrigo Oliveira, amigo do casal no Facebook, afirma que sua irmã mora no mesmo condomínio com a companheira e que elas já foram vítimas de difamação por uma vizinha. "A questão é: existem câmeras dentro do condomínio. Acredito que duas, especificamente. Estão sob o controle da vizinha processada em outrora e mais outras pessoas. São 10 casas", escreveu Rodrigo. Segundo ele, sua irmã move processo formal contra a vizinha na Justiça, mas Júnior e Maycon teriam sido informados na delegacia de que nada poderia ser feito no caso deles, já que não há assinatura ou nomes na carta.

Júnior agradeceu, também na rede social, o apoio e a solidariedade que ele e Maycon têm recebido, tanto de amigos quanto de desconhecidos e instituições que ofereceram suporte jurídico. O casal procura, agora, alguma forma de ter acesso às câmeras de segurança que podem ter registrado o momento em que a carta foi colocada em sua janela.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Casal gay recebe recado homofóbico e racista em condomínio