O caminho da virtude para uma sociedade feliz

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Viagem ao inferno do trabalho em plataformas

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Janeiro 2017

“A crise de liberalismo, capitalismo e democracia é uma metacrise. Se as crises podem ser consideradas temporárias e contingentes, as metacrises correm o risco de serem definitivas e envolverem os princípios. Para sair delas é preciso repensar o sistema”, afirma John Milbank por ocasião do lançamento de seu livro escrito a quatro mãos com Adrian Pabst: The politics of virtue. Postliberalism and the human future (Rowman & Littlefield).

A entrevista é de Simone Paliaga, publicada por Avvenire, 17-12-2016. A tradução de Luisa Rabolini.

Milbank é um teólogo anglicano, docente na Universidade de Nottingham e fundador da Ortodoxia Radical. A partir da publicação de Theology and social theory, ele mostra o poder da reflexão teológica no pensamento do século XXI ultrapassando os modelos interpretativos desgastados e obsoletos.

Eis a entrevista.

Por que, professor, uma política da virtude pode representar uma saída para a metacrise do liberalismo, democracia e capitalismo?

Porque a política da virtude procura a concretização de uma vida realmente feliz.

Como alcançar isso?

É preciso classificar os bens porque nem todos os modos de existência têm valores iguais. As pessoas deveriam ser incentivadas para as atividades manuais, para a realização artística de produtos de qualidade, para postos de trabalho imbuídos de caridade recíproca, para a poesia em sentido lato, para a contemplação cósmica e religiosa e para o debate filosófico e a participação política. Temos que restabelecer a desconfiança em relação a tudo aquilo que está ligado ao dinheiro; a busca pelo dinheiro deveria estar sempre subordinada a alguma outra coisa.

Como conseguir isso?

Tudo isso deveria estar sustentado principalmente pelo hábito, mas também pela lei e política que premiassem as práticas virtuosas e realinhassem a virtude com o reconhecimento social e o sucesso, dentro do possível. Apenas quando uma sociedade estiver de acordo sobre determinados objetivos positivos e continuar a discutir a sua natureza, vai ser possível uma distribuição mais justa e igualitária.

Pode explicar melhor essa ideia?

Parece paradoxal, mas temos a necessidade de uma hierarquia de valores para garantir mais igualdade social e econômica. Estendendo esse paradoxo, precisamos reconhecer o papel dos autênticos aristocratas, daqueles que têm mais condições que outros de interligar talento e virtude, para custodiar e guiar a sociedade. Precisamos das melhores pessoas para oferecer propostas ao debate democrático, antes que seja sufocado por manipuladores e formadores de opinião. A recusa ao reconhecimento de qualquer elite alça ao poder uma superclasse desvirtuada e trash.

É nisso que consiste o chamado pós-liberalismo?

O pós-liberalismo promove a subsidiariede e a distribuição da soberania a níveis mais apropriados, seja dentro como além das fronteiras nacionais. Aos governantes deve ser confiado um papel a longo prazo de forma a entrelaçar o seu interesse com a sorte geral. Disso decorre a necessidade de certo corporativismo. Além das pessoas e do eleitorado serem representadas nas instituições políticas, deveria existir também uma representação das profissões, universidades, artes, religiões e assim por diante para prolongar a democracia participativa e não formal. A um maior papel político dos órgãos econômicos deveriam corresponder maiores responsabilidades sociais para sanear a separação entre política e economia, própria do liberalismo.

E em termos econômicos?

O pós-liberalismo comporta o nascimento de um novo mercado social não mais capitalista, no modelo da tradição da economia civil italiana.

O contrato deveria ser entabulado entre a doação e a propriedade mútua e compartilhada prevendo a participação de trabalhadores e consumidores ao lado dos acionistas. Todos têm uma vocação e, portanto, as qualificações para o ingresso no mundo do trabalho deveriam ser de natureza vocacional. É necessário que as empresas sejam regidas por lei para declarar seu fim social e para envolver trabalhadores e clientes na sua governança. A produção deveria concentrar-se num único lugar, para garantir a integridade das regiões e a qualidade da manufatura.

Qual a influência da Igreja para enfrentar essa situação?

O papel das Igrejas, apesar da atual crise, é crucial. O liberalismo ultrapassou os limites, violando a lei natural e as pessoas o rejeitam. Corre-se assim o risco de jogar fora o bebê junto com a água suja. A liberdade negativa e a liberdade formal são, contudo, indispensáveis, pois os seres humanos jamais alcançarão um acordo sobre todas as coisas. Existe também o risco de encher um vazio positivo com cultos niilistas de poder e de identidade étnica. A própria religião não pode ser degradada associando-a apenas com a identidade nacional ou a tradição, no sentido oposto ao que é de fato, tradição viva e mediação da verdade eterna.

Em certa época assumiu-se o risco de subordinar a política ao amor entre as pessoas e ao culto ao Deus de amor superando o culto da lei. Hoje, algo de pós-cristão celebra, ao contrário, o culto do poder e o culto pagão do estado. Agora assistimos a uma revolta característica contra os novos tribunos oligárquicos. Após a tirania das massas, para contrabalançar os interesses de cada pessoa com aquilo que é válido da liberdade republicana é necessária a ordem da cristandade. A Igreja deve ser o espaço onde a sociedade civil, a livre associação e a mutualidade reinem verdadeiramente soberanas, porque a Igreja é orientada ao transcendente e não ao controle político mundano ou à riqueza terrena. Portanto, o nosso débito com a Doutrina social da Igreja é imenso.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O caminho da virtude para uma sociedade feliz - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV