Em acordo histórico, estudantes ‘ocupam’ parte da programação da rádio da UFMG

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Na igreja do Papa Francisco, os movimentos estão parando

    LER MAIS
  • Abusos, sínodo e a falsa prudência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Novembro 2016

Estudantes que participam do movimento Ocupa Tudo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte, firmaram um acordo histórico no domingo (6) com a rádio da universidade, a UFMG Educativa, garantindo quatro horas diárias da programação exclusivas ao movimento, além de plantão para notícias urgentes.

A informação foi publicada por Rede Brasil AtualRBA, 07-11-2016.

Foto: Reprodução/Facebook

A estratégia foi decidida em assembleia e os moldes foram definidos em negociação entre os estudantes e a direção do Centro de Comunicação da Universidade (Cedecom). O acordo inclui também a cessão de uma sala aos estudantes com linha telefônica, acesso a internet e dois computadores com software editor de áudio. Dois gravadores ficarão disponíveis para os estudantes, além do trabalho dos técnicos da rádio, que é uma emissora pública criada 2006 a partir de uma parceria entre a universidade e a Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Também ficou acertado que haverá negociações periódicas sobre o tempo de programação. “Dar visibilidade e voz às ocupações nos veículos de mídia é parte da transformação social e real que queremos para nosso país: convidamos a todas e todos pra construírem junto conosco o dia-a-dia desta nova porta que se abre para fora dos muros da nossa universidade”, dizem os estudantes em texto na página oficial do movimento no Facebook.

Contrários à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55, que congela por 20 anos os investimentos do governo federal, e à reforma do ensino médio (prevista na Medida Provisória 746), ambas propostas de Michel Temer, estudantes ocupam 171 universidades no país. Em Minas Gerias, são 24, entre elas, a UFMG, com 18 prédios ocupados (16 no Campus Pampulha além da Escola de Arquitetura e Design e do Instituto de Ciências Agrárias em Montes Claros).

O movimento secundarista chegou a ocupar 1.197 escolas em 21 estados em 28 de outubro, auge do movimento. O balanço nacional do número de escolas ocupadas está temporariamente suspenso pelo movimento estudantil, devido à inconsistência de dados no Paraná, estado com maior número de escolas ocupadas, onde nos últimos dias ocorreu uma série de desocupações por decisões judiciais.

“Entendemos que uma parte importante do golpe contra as/os trabalhadores e estudantes vem sendo construída pela mídia, que, no Brasil, é controlada por poucas famílias milionárias com grande influência política, que visam apenas o lucro e manter seus privilégios”, dizem os estudantes no Facebook. “A velha mídia, que escolhe claramente o lado que quer mostrar, não cumpre o papel de informar a população, por isso lutamos também pela sua democratização.”

Quem mora em Belo Horizonte pode acompanhar as notícias sintonizando a frequência 104,5 FM. Já quem mora em outras cidades ou estados pode acompanhar a programação ao vivo por aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em acordo histórico, estudantes ‘ocupam’ parte da programação da rádio da UFMG - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV