Crimes ambientais ameaçam quelônios

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • Carta do Papa Francisco a Leonardo Boff

    LER MAIS
  • A insuportável leveza do cristianismo pós-institucional. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • “O problema da violência sexual é político, não moral”. Entrevista com Rita Segato

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Setembro 2016

Período de reprodução na Amazônia registra menor desova dos últimos anos. Monitoramento é feito pela população ribeirinha e pelo ICMBio.

A população de quelônios na Reserva Extrativista do Médio Juruá, a cerca de 800 quilômetros de Manaus, no Amazonas, está entrando em declínio. Ainda não há um estudo para apontar as causas, mas a situação já é considerada alarmante. O alerta é do gestor da Resex, Manoel Lima. Para ele, a principal causa é a captura ilegal das tartarugas e tracajás para serem vendidos ilegalmente. “É um crime ambiental que parecia quase extinto, mas está voltando com força e justamente em época de reprodução”, afirma.

A reportagem foi publicada por ICMBio, 28-09-2016.

O monitoramento e o manejo dos quelônios ao longo do rio de quase 60 quilômetros são feitos pelos próprios ribeirinhos, treinados pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Com o apoio do instituto, três fiscais acompanham a desova das tartarugas, que vai de agosto a outubro. Mesmo sem poder para prender os infratores ou confiscar os animais, sua presença nas áreas, dia e noite, contribui para inibir a ação dos criminosos ambientais. “Nosso trabalho é conscientizar, dialogar com eles e mostrar que é crime. Os infratores que não colaboram, soltando as tartarugas capturadas, são denunciados à polícia”, esclarece Cunha.

O manejo requer cuidados especiais devido à ação de predadores naturais, como peixes e jacarés. Após a eclosão dos ovos, os ribeirinhos recolhem os filhotes e durante os primeiros quinze dias de vida eles se desenvolvem em tanques apropriados. “O cheiro forte de ovo e a fragilidade ao nascerem os torna presa fácil. Precisamos esperar que eles cresçam para que o casco fique duro e se tornem mais rápidos para fugir dos predadores”, afirma Manoel.

O gestor da reserva, nomeado há pouco mais de dois meses, percorre diariamente os tabuleiros (praias fluviais) onde tradicionalmente as tartarugas desovam, demarcando as covas e afugentando os pescadores infratores. “Teve ano em que foram identificadas mais de 800 covas nos tabuleiros do Médio Juruá. Esse ano não passaram de 170 até agora”, avalia. Segundo ele, em uma das ocorrências foram constatadas 18 tartarugas capturadas ilegalmente para o abate clandestino. “Nessa época, além das redes de pesca, os quelônios são apanhados diretamente nos bancos de areia, impedindo a desova”.

A Resex do Médio Juruá tem uma área de cerca de 280 mil hectares e abriga 480 famílias. Organizados em 43 comunidades ribeirinhas, vivem principalmente da pesca manejada do pirarucu e da venda da farinha.

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Crimes ambientais ameaçam quelônios - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV