Presidente peruano troca dinamite por diálogo com garimpeiros

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • “É triste ver homens da Igreja que não sabem ceder o lugar”, afirma o Papa Francisco

    LER MAIS
  • O Papa está destinado a sofrer uma “crítica feroz”, afirma cardeal salvadorenho

    LER MAIS
  • O fim do Estado Islâmico como território

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

12 Agosto 2016

O ex-presidente do Peru, Ollanta Humala, usava explosivos para combater o garimpo ilegal de ouro na selva amazônica com o objetivo de conter o desmatamento e a poluição por mercúrio. Seu sucessor está adotando uma abordagem mais diplomática.

A reportagem é de John Quigley, publicada por Bloomberg e reproduzida por Amazônia.org, 11-08-2016.

Menos de duas semanas após assumir o cargo, o presidente Pedro Pablo Kuczynski conversou na terça-feira com representantes do setor em Madre de Dios, área localizada na parte sudeste do Peru que respondeu por quase 10 por cento da produção de ouro do país no ano passado. Além disso, Kuczynski está adotando uma abordagem conciliatória para tentar retomar o trabalho de grandes projetos de mineração que foram paralisados em meio à oposição da comunidade durante o governo anterior.

Em Madre de Dios, serão realizadas reuniões regulares para fechar um acordo sobre o caminho a seguir, disse Kuczynski a jornalistas.

“Viemos para escutar”, disse ele. “Não propomos violência, nem nada à força. É preciso que haja disciplina, mas o que queremos é buscar um consenso em torno do qual trabalhar”.

A produção informal de ouro em Madre de Dios se expandiu na última década em meio ao aumento dos preços dos lingotes, estimulando a destruição de trechos de floresta tropical intocada e a poluição de rios com mercúrio, enquanto os trabalhos forçados e a prostituição se desenvolveram nos campos de mineração. Em 2014, o governo de Humala impôs restrições à venda de combustível e intensificou as operações policiais para explodir equipamentos de mineração, como dragas e carregadeiras fluviais.

‘Ameaça’ legislativa

Cynthya Montes, porta-voz de Humala, não respondeu imediatamente a um e-mail em busca de comentário sobre as negociações.

Os grupos de mineradores da área querem que o governo revogue as medidas, que foram criadas para forçá-los a cumprir novos regulamentos para pequenos produtores.

Luis Otsuka, governador da região de Madre de Dios e ex-presidente da federação de mineração local, disse a jornalistas que a legislação é uma ameaça à economia local e deu boas-vindas ao chamado de Kuczynski ao diálogo.

O ministro de Energia e Mineração, Gonzalo Tamayo, disse que é muito cedo para dizer se haverá mudanças na legislação existente.

Kuczynski, ex-banqueiro de investimento e executivo do setor de mineração, propôs a criação de um banco para conceder empréstimos aos garimpeiros artesanais que respeitam as regras trabalhistas, tributárias e ambientais.

O Peru é o maior produtor de ouro da América Latina. O preço do metal subiu 26 por cento neste ano após três declínios anuais seguidos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Presidente peruano troca dinamite por diálogo com garimpeiros