Nicarágua. O bispo exige o respeito aos direitos humanos

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • “30% dos eleitos para serem bispos rejeitam a nomeação”, revela cardeal Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 11 Julho 2016

Criticando a detenção arbitrária de três agricultores, que, além disso, são agentes de pastoral da Igreja católica no município de Rancho Grande, o bispo da diocese de Matagalpa, dom Rolando José Álvarez Lagos, exortou a Polícia que “antes de capturar, deve fazer uma investigação profissional”.

A reportagem é de Luis Eduardo Martínez M. e publicada por La Prensa, 08-07-2016. A tradução é de André Langer.

Considerou também que a instituição da ordem nunca deve “cometer atos que impliquem ou que signifiquem repressão ou algum tipo de tortura do tipo que for”.

Durante o programa Pastoreo, Oración y Comunión, que vai ao ar toda quinta-feira em cadeia de rádio, televisão e redes sociais, o hierarca referiu-se dessa maneira à detenção de três agricultores em 01 de julho passado na comunidade de Caño Blanco, Rancho Grande.

Os agricultores que foram detidos sem justificativa são: Simón González Polanco e seus filhos Simón González Salazar e Dimas Israel González Canterero.

González e seus filhos, que, além disso, são agentes de pastoral da Igreja católica, foram detidos porque gente da comunidade cacoetou como supostos autores de uma tábua com pinturas e consignas contra o governo que apareceu nas imediações da escola de Caño Blanco, no dia em que se realizava uma feira oficialista.

A polícia primeiro prende e depois investiga

“Desculpem-nos, nos enganamos com vocês” é o que supostamente disse aos camponeses um comando policial em Rancho Grande, antes de soltá-los na manhã do dia 02 de julho.

“Não devemos militarizar o campo”, disse o bispo no programa, acrescentando que “se deve respeitar os direitos humanos de todos os cidadãos, particularmente dos camponeses que estão nas montanhas e que por sua situação específica não têm acesso aos meios de comunicação para denunciar qualquer tipo de abuso”.

“Deve-se respeitar o direito humano da livre expressão, do livre pensamento e da livre mobilização de todos os cidadãos. As forças da ordem devem proteger o povo e nunca reprimir a população”, assinalou o hierarca católico.

A recente denúncia por informações fornecidas por “cacoetes” significa, para defensores dos direitos humanos, um retrocesso às perseguições ocorridas em tempos das ditaduras passadas: somocista e sandinista na década de 1980.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nicarágua. O bispo exige o respeito aos direitos humanos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV