Sindicalistas desafiam Eliseu Padilha a defender terceirização nas portas de fábrica

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • “Sinto-me o cardeal de Romero. Ele é um ícone da Igreja”, afirma novo purpurado de El Salvador

    LER MAIS
  • Instituição católica quer indenização milionária por vídeo do Porta dos Fundos

    LER MAIS
  • A morte anunciada (e nunca ocorrida) do neoliberalismo. Artigo de Roberto Esposito

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

06 Julho 2016

Em nota conjunta, a Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM) e a Federação dos Sindicatos dos Metalúrgicos (FEM) da CUT de São Paulo desafiaram ontem (4) o ministro chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, a repetir na porta das fábricas o discurso feito dias atrás em uma reunião com empresários, quando defendeu a terceirização irrestrita da mão de obra.

A informação é publicada por Rede Brasil Atual – RBA, 05-07-2016.

"Estamos fazendo um convite para que ele venha conversar com aqueles que sofrerão com a terceirização. O Brasil não pode retroagir e aqueles que terão que arcar com as consequências nem sequer são consultados", afirmou Luiz Carlos da Silva Dias, o Luizão, presidente da FEM-CUT, em entrevista à repórter Vanessa Nakasato, da TVT.

Segundo o sindicalista, a terceirização defendida pelo governo Michel Temer "é retrocesso de 50 anos", que precariza o trabalho, retira os direitos sociais e coloca a vida dos trabalhadores em risco. "As terceirizadas são as campeãs de acidentes de trabalho, pagam os menores salários, os menores benefícios, algumas deixam de cumprir com as suas obrigações legais, não depositam FGTS e Previdência."

"Nós temos muitos casos relatados de calote de empresas que simplesmente fecham as portas e abandonam o trabalhador. Eles ficam sem trabalho e sem as verbas rescisórias. A contratante não tem a responsabilidade também por aquele trabalhador terceirizado", diz Patricia Pelatieri, coordenadora de pesquisas do Dieese.

O projeto de lei que tramita no Senado permite a terceirização de todas as atividades das empresas e não de apenas alguns setores, como é hoje.

"Na escola, por exemplo, você tem um serviço de limpeza, você tem cantina, tem um serviço de segurança, mas o negócio da escola é o ensino. Com o projeto, os professores poderiam ser todos terceirizados. Então, quem está recebendo o serviço sempre fica sem ter com quem reclamar", diz Patricia.

"Depois de a atividade ser terceirizada, o próximo passo vai ser flexibilizar as férias, fracionar décimo terceiro, diminuir adicional noturno, que é o que eles dizem que está obsoleto e 'trava' o Brasil", afirma Luizão.

Para os sindicalistas, a terceirização indiscriminada trará consequências sérias para a economia e o desenvolvimento do país. "Significa que você vai reduzir a massa salarial brasileira em 30%. Isso vai reduzir o consumo das famílias e das pessoas minimamente em 30%. Para um país que precisa que a economia volte a crescer, vamos para o caminho inverso", afirma Luiz Carlos.

Assista:

{youtube}ZwzJjnqQDfg&feature=youtu.be{/youtube}

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Sindicalistas desafiam Eliseu Padilha a defender terceirização nas portas de fábrica