Após abate de onça, ONG Pata quer processar o Comando Militar da Amazônia

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Apoio do papa a uniões gays não é uma surpresa, mas é muito significativo. Artigo de James Alison

    LER MAIS
  • Coluna “Rumo a Assis: na direção da Economia de Francisco”

    O propósito da tecnologia e do humano: Dados, reflexões e possibilidades para a Economia de Francisco

    LER MAIS
  • Papa Francisco, uniões civis e o reconhecimento da intimidade. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Junho 2016

A ONG Proteção, Adoção e Tratamento Animal (Pata) vai organizar uma ação civil pública para responsabilizar o Comando Militar da Amazônia (CMA) e os demais órgãos envolvidos na cerimônia da passagem da tocha olímpica, que ocorreu na semana passada, pelo abate da onça Juma, que participou do evento.

A reportagem foi publicada por A Crítica, 28-06-2016.

No último sábado, ao menos 100 pessoas participaram da manifestação #SomosTodosJuma, na praça do Centro de Instrução de Guerra na Selva (Cigs), na Zona Oeste. O ato foi organizado pelas redes sociais.

Os manifestantes seguraram cartazes em frente a área Militar e pediram o fim da exposição de animais silvestres ao público. “Não somos contra o exército ou o trabalho que os militares realizam. Somos contra a exploração desnecessária de um animal que está ameaçado de extinção”, explicou a presidente da ONG Proteção, Adoção e Tratamento Animal (Pata), Joana Darc.

A ONG protocolou um requerimento de esclarecimento ao Comando Militar da Amazônia (CMA), mas não recebeu resposta. Agora, os protetores estão organizando uma ação civil pública. “Vamos abrir um processo envolvendo não só o CMA, mas todos os órgãos envolvidos no evento, como a Rio 2016, órgãos de proteção ambiental e Prefeitura”, completou Joana.

Fim da exposição

A ortopedista Altamini Salum, protetora de animais independente, conta que também é contra a exposição de animais silvestres. “A dor foi muito grande. Nos entristece saber que perdemos o símbolo da Amazônia por conta de um evento que envolveu fogo e multidão. O Exército Brasileiro tem que parar de levar os animais aos desfiles e outros eventos. Onça não é mascote”, disse.

Os manifestantes também confeccionaram uma onça de isopor, representando o Juma. “O objetivo principal é acabar com essas exposições para evitar mais mortes desnecessárias como essa”, disse Nete Moura, do grupo Protetores de Animais de Manaus.

Tocha olímpica

A onça-pintada Juma foi abatida após ter avançado em um militar, ao sair da jaula no zoológico localizado dentro do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), na semana passada. A onça participou da cerimônia de apresentação da Tocha Olímpica no Cigs, na semana passada, o que causou polêmica nas redes sociais.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Após abate de onça, ONG Pata quer processar o Comando Militar da Amazônia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV