Os teólogos ‘malditos’ e o Papa Francisco. Artigo de Víctor Codina

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Do samba ao funk, o Brasil que reprime manifestações culturais de origem negra e periférica

    LER MAIS
  • ASA 20 Anos: Água potável é vida e bênção para a infância do Semiárido

    LER MAIS
  • Massacre de Paraisópolis é a falta do reconhecimento da cultura periférica, diz Raquel Rolnik

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 30 Maio 2016

Francisco inaugurou um novo estilo de exercer o Primado romano. Ele não é teólogo profissional e não impõe sua própria teologia, mas é sobretudo pastor, abriu as portas da Igreja, deseja uma Igreja que saia às ruas e cheire a ovelha (...), que viva a alegria do Evangelho e acredite na novidade sempre surpreendente do Espírito. O clima eclesial mudou nestes anos, há maior liberdade, pode-se respirar melhor”, escreve Víctor Codina, teólogo jesuíta, em artigo publicado por Religión Digital, 26-05-2016. A tradução é de André Langer.

Eis o artigo.

Não deixa de ser surpreendente e muito significativo o fato de que uma série de teólogos considerados “malditos” durante o longo inverno eclesial do pós-Concílio seja agora não apenas admiradores entusiastas do Papa Francisco, mas que se tenha convertido em seus defensores diante daqueles que o atacam e acusam.

Estes teólogos e teólogas foram considerados suspeitos em suas doutrinas, alguns foram excluídos de suas cátedras, outros foram censurados por seus escritos e tiveram que se defender dos “monita” ou advertências que recebiam dos responsáveis de suas Igrejas locais e muitas vezes de Roma. Seu sofrimento foi grande, seu silêncio muito doloroso, mas agiram com “resistência e submissão” e permaneceram fiéis à Igreja.

Sem querer ser exaustivo, cito alguns dos nomes que me são mais conhecidos e familiares: Hans Küng, Gustavo Gutiérrez, Leonardo Boff, Jon Sobrino, Eleazar López, José María Castillo, Juan Masiá, José Antonio Pagola, Marciano Vidal, Benjamín Forcano, Andrés Torres Queiruga, Juan José Tamayo e um longo etc. no qual se deveria nomear teólogas como Ivone Gebara, Elisabeth Johnson e teólogos anglo-saxões.

O que aconteceu? Nenhum deles ou delas se retratou de suas opiniões, talvez tenham matizado e esclarecido alguns mal-entendidos, mas não mudaram de rumo. Francisco inaugurou um novo estilo de exercer o Primado romano. Ele não é teólogo profissional e não impõe sua própria teologia, mas é sobretudo pastor, abriu as portas da Igreja, deseja uma Igreja que saia às ruas e cheire a ovelha, que não exclua mas que acolha e seja sacramento de misericórdia, uma Igreja que seja dialogante, não autorreferencial, pobre e dos pobres, que viva a alegria do Evangelho e acredite na novidade sempre surpreendente do Espírito. O clima eclesial mudou nestes anos, há maior liberdade, pode-se respirar melhor.

E espontaneamente pode-se recordar a notável semelhança que existe entre esta situação e aquela dos anos do pré-concílio quando uma série de teólogos foi censurada e acusada de defender a chamada Nouvelle Théologie, mas que depois, no pontificado de João XXIII, foram os grandes teólogos do Vaticano II: Rahner, Congar, De Lubac, Chenu, Daniélou e inclusive Teilhard de Chardin já falecido nessa época, mas que inspirou em grande parte a Constituição sobre a Igreja no mundo contemporâneo, a Gaudium et Spes.

Estas mudanças, para além das anedotas pessoais ou históricas, desde um olhar de fé, nos levam a reconhecer que a Igreja, Povo de Deus peregrino na história rumo ao Reino, apesar de seus erros, limitações e pecados, sempre é animada e guiada pelo Espírito do Senhor e que embora, assim como a lua, atravesse diferentes fases de escuridão e de luz, nunca é abandonada pelo Senhor Jesus, que é a luz dos povos, Lumen Gentium, e a conduz “das sombras e aparências à verdade”, como se pode ler no epitáfio do beato cardeal Newman.

E tudo isso produz em nós grande alegria e a esperança de uma nova primavera pascal. E é um estímulo para que a teologia continue sendo uma instância profética e de fronteira na Igreja de hoje.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os teólogos ‘malditos’ e o Papa Francisco. Artigo de Víctor Codina - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV