Zuckerberg anuncia o fim dos call-centers e um router voador maior do que um 737

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Abril 2016

O Facebook quer passar de rede social a colosso global de telecomunicações e serviços. Em São Francisco, Mark Zuckerberg anunciou o plano megalómano da empresa para os próximos dez anos.

A reportagem é de Pedro Guerreiro, publicada por Público.pt, 12-04-2016.

Mark Zuckerberg quer toda a gente online. Esta terça-feira em São Francisco, Califórnia, o fundador do Facebook revelou a intenção de ligar à Internet as três mil milhões de pessoas que em todo o mundo permanecem à margem. O plano a dez anos prevê a utilização de aviões solares não pilotados – com “uma envergadura de asas superior a um Boeing 737”, mas “um peso menor do que o de um automóvel” – para difundir o sinal de Internet em zonas do globo ainda não cobertas pela rede. Nos próximos dias, o Facebook conta lançar o seu primeiro satélite espacial para reforçar a cobertura de Internet na África subsariana.

“Em vez de construir muros, podemos ajudar as pessoas a construir pontes”, declarou o CEO da rede social num discurso com críticas implícitas ao candidato presidencial republicano Donald Trump.

O investimento na conectividade é apenas uma parte da visão a dez anos que Zuckerberg apresentou na abertura da conferência de programadores parceiros do Facebook. A médio prazo – Zuckerberg aponta para cinco anos – o destaque vai para a progressiva transformação do Messenger num ecossistema para aplicações com múltiplas finalidades para além da atual utilização como ferramenta de conversação.

Através do desenvolvimento de bots (programas de conversação automatizada), o Facebook quer que o Messenger substitua os call-centers das empresas, possibilitando o apoio ao cliente e a venda de produtos através de comunicação escrita. “Nunca conheci ninguém que gostasse de telefonar a uma empresa”, disse Zuckerberg, que demonstrou o potencial da tecnologia com a encomenda de um ramo de flores pelo Messenger.

Esta possibilidade não é inédita, mas a abertura por parte do Facebook de uma plataforma de bots para parceiros externos possibilita o acesso das marcas a um público potencial de 900 milhões de utilizadores. Zuckerberg revelou ainda que todos os dias são trocadas 60 mil milhões de mensagens em todo o mundo através do Messenger e do WhatsApp, outro serviço detido pelo Facebook – um volume três vezes superior ao das SMS.

Como objetivos de longo prazo, o CEO do Facebook apontou também o desenvolvimento da realidade virtual como a próxima grande plataforma social e o investimento em inteligência artificial, e concretamente nas funcionalidades de reconhecimento de imagem e o seu potencial no diagnóstico imediato de doenças como o câncer da pele.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Zuckerberg anuncia o fim dos call-centers e um router voador maior do que um 737 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV