Ritmo de demissões chega a 282 por hora no Brasil

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Müller: documento vaticano sobre a Amazônia contém heresia e estupidez. “Não tem nada a ver com o cristianismo”

    LER MAIS
  • A história dos 13 agricultores presos por Moro e depois absolvidos

    LER MAIS
  • Vozes que nos desafiam. Maria Madalena, a primeira testemunha da Ressurreição

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Abril 2016

O Brasil dos desempregados já tem quase a mesma população de Portugal: beira os 10 milhões de habitantes. Por hora, 282 brasileiros passam a fazer parte desse contingente, mostram cálculos do economista Alexandre Cabral, professor em instituições como da Fundação Instituto de Administração (FIA) e Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). A estimativa é de que, até o fim do ano, o número chegue a 12 milhões e as dificuldades para a recolocação sejam maiores.

— Isso é muito grave. Com exceção da agricultura, não há setor livre do fantasma do desemprego — diz o economista José Roberto Mendonça de Barros, sócio da MB Associados

A informação é publicada por Zero Hora, 11-04-2016.

A nova onda de retração no mercado de trabalho ficou evidente a partir do segundo semestre do ano passado, quando os setores de comércio e serviços, grandes empregadores, começaram a demitir com mais força. A piora se somou aos desligamentos na construção civil e na indústria, em crise há mais tempo. Em 2015, o comércio fechou 208 mil postos de trabalho, após mais de 10 anos de criação de vagas. O setor viu as vendas recuarem 8,6% ano passado. Em 2016, a previsão é de queda de 8,3%. — Para este ano, estamos esperando o corte de 220 mil postos — afirma Fabio Bentes, economista da Confederação Nacional do Comércio (CNC).

O que ajuda a explicar a forte piora nos setores de comércio e serviços é a queda da renda do Brasil. Em 2015, o recuo real, quando é descontada a inflação, foi de 3,7%. A última queda havia sido observada em 2004, de 1,4%.

A economista Alessandra Ribeiro, da Tendências Consultoria Integrada, observa que, em apenas dois anos, o Brasil perdeu a condição de pleno emprego. Até Porto Alegre, que em 2011 foi batizada de “a capital do pleno emprego”, já sofre com aumento das demissões. Dados da Fundação de Economia e Estatística (FEE) mostram que a taxa atingiu os dois dígitos na Região Metropolitana em fevereiro: 10,1%. Há um ano, estava em 5,8%.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ritmo de demissões chega a 282 por hora no Brasil - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV