No santuário devastado pelos jihadistas, encontrais as relíquias de Mar Elian. Jacques Murad: assim o mosteiro renascerá

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais 'angelicalidade': a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Digital, serial, algorítmica, a cultura do século XXI chegou

    LER MAIS
  • Ômicron, natureza e arrogância humana: uma guerra entre patógenos e humanos. Artigo de Alexandre A. Martins

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Abril 2016

Em Qaryatayn, a cidade síria há pouco colocada sob o controle do exército sírio, os jihadistas do Estado Islâmico (Daeschi) foram embora deixando macerações e devastações no santuário de Mar Elian, onde até os primeiros dias de ocupação, em agosto de 2015, haviam profanado brutalmente a tumba do Santo, para eliminar aquilo que também aos seus olhos representava o coração do complexo monástico. Mas as relíquias de Mar Elian, espalhadas em torno do sepulcro do santo, não foram perdidas: poderão ser recolhidas e recompostas, e em torno delas poderá de novo recolher-se a vida e a devoção dos cristãos da região.

A reportagem foi publicada por Agência Fides, 05-04-2016. A tradução é de Benno Dischinger.

A notícia foi confirmada à Agência Fides com entusiasmo e comoção pelo padre Jacques Mourad, Prior da comunidade monástica – filiada ao mosteiro de Deir Mar Musa al Abashi – que nos últimos anos havia feito reflorescer o antigo Santuário do IV século, situado na periferia de Qaryatayn. O próprio Padre Jacques Mourad tinha sido feito prisioneiro de um comando de jihadistas que em 21 de maio de 2015 invadiu o santuário e o sequestrou. Foi libertado em 11 de outubro passado.

“Diante de tudo que aconteceu e está acontecendo", ressalta padre Mourad, “prefiro permanecer em silêncio, porque precisamente hoje o silêncio me aparece como a palavra mais correta e adequada”.

Depois, com poucas palavras simples, exprime o consolador olhar de fé com o qual ele e os seus companheiros vivenciaram também este tempo atormentado. “Que as relíquias de Mar Elian não tenham sido perdidas”, disse a Fides o padre Jacques, “é para mim um grande sinal: quer dizer que ele não quis deixar aquele mosteiro e aquela terra santa. Sabemos que os santos estão no céu, e nós podemos sempre invoca-los e solicitar a sua ajuda. Recordo que aos nove de setembro, no dia da memória litúrgica de Mar Elian, eu havia celebrado a Missa com os outros cristãos em Qaryatayn, enquanto estávamos sob o domínio do Daesh. Eu lhes havia dito: não importa que o mosteiro seja destruído, não importa sequer que a tumba tenha sido destruída. O importante é que carreguemos Mar Elian no nosso coração, aonde quer que formos, também no Canadá, ou na Europa, porque ele quer permanecer no coração dos seus fiéis”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

No santuário devastado pelos jihadistas, encontrais as relíquias de Mar Elian. Jacques Murad: assim o mosteiro renascerá - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV