Economias biopolíticas da dívida. Dívidas como mecanismo de controle

Revista ihu on-line

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

1968, um ano múltiplo – Meio século de um tempo que desafiou diversas formas de poder

Edição: 521

Leia mais

1968, um ano múltiplo – Meio século de um tempo que desafiou diversas formas de poder

Edição: 521

Leia mais

1968, um ano múltiplo – Meio século de um tempo que desafiou diversas formas de poder

Edição: 521

Leia mais

Fake news – Ambiência digital e os novos modos de ser

Edição: 520

Leia mais

Fake news – Ambiência digital e os novos modos de ser

Edição: 520

Leia mais

Fake news – Ambiência digital e os novos modos de ser

Edição: 520

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

1968, um ano múltiplo – Meio século de um tempo que desafiou diversas formas de poder

Edição: 521

Leia mais

Fake news – Ambiência digital e os novos modos de ser

Edição: 520

Leia mais

Mais Lidos

  • Nota de falecimento

    LER MAIS
  • “O futuro não ia ser assim”: Pobreza extrema volta a crescer no Brasil

    LER MAIS
  • Auditores pressionam contra isenção de imposto de até 70% sobre renda de mais ricos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

10 Março 2016

Economias Biopolíticas da Dívida, edição 236ª do Cadernos IHU ideias, de Michael A. Peters, tem como eixo de análise a relação credor/devedor a partir do segundo ensaio da Genealogia da Moral de Nietzsche, onde se argumenta que a “instituição do castigo ou da punição surge desta relação e se constitui na primeira moral baseada na capacidade de fazer promessas”. Disto decorre que o credor pode estabelecer as regras do jogo, que por sua vez, leva do devedor aquilo que lhe agrada.  “O conceito moral de obrigação, juntamente com culpa, consciência e dever, tem seu início nessa relação contratual, marcada com sangue e tortura”, frisa Peters.

Assim, a financeirização como forma de biopoder estabelece normas e valores presentes em nosso cotidiano, resultando na produção moral de indivíduos endividados. Ou seja, “o neoliberalismo é o mecanismo de controle mais eficiente que, através da dívida, captura a resistência por parte dos trabalhadores e estudantes”, afirma.

Esta edição do Cadernos IHU ideias foi apresentada no XVII Simpósio Internacional IHU. Saberes e Práticas na Constituição dos Sujeitos na Contemporaneidade, promovida pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU em setembro de 2015. O artigo, assim como a conferência proferida por Peters, aborda a questão e a moral da dívida como base para uma investigação sobre o fenômeno da “economia da dívida” e as novas configurações do "capitalismo da dívida".

A versão digital de Economias Biopolíticas da Dívida está disponível no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, e a conferência A Biopolítica Pós-Colonial no Império do Capital: Linhas foucaultianas de investigação nos Estudos Educacionais está no canal do Instituto no YouTube.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Economias biopolíticas da dívida. Dívidas como mecanismo de controle - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV