Sequestro do padre jesuíta Paolo Dall'Oglio completa 30 meses: ainda nenhuma notícia

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos alemães enfrentam o Vaticano e seguem com seu sínodo

    LER MAIS
  • “Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

    LER MAIS
  • Os 5 principais países, além dos EUA, que mais tecem críticas ao Papa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Fevereiro 2016

Se o padre Paolo Dall'Oglio foi sequestrado no dia 29 de julho de 2013 por um grupo de extremistas islâmicos próximos da Al-Qaeda na Síria – até hoje, ainda existem algumas dúvidas – hoje se completam 30 meses que não se tem nenhuma notícia do sacerdote jesuíta.

A reportagem é do sítio Il Sismografo, 29-01-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O padre Paolo Dall'Oglio (61-62 anos hoje) foi sequestrado depois de um apelo que ele havia dirigido ao Santo Padre para que o papa promovesse "uma iniciativa diplomática urgente e inclusiva pela Síria".

Antes do "confuso" desaparecimento, o padre Dall'Oglio era conhecido por ter fundado nos anos 1980, na Síria, a comunidade monástica síria Mar Musa (Damasco), local de culto que remonta à mais tardia tradição eremita, instituída com o objetivo de hospedar aderentes tanto de confissão católica, quanto de confissão ortodoxa.

Desde sempre, Paolo Dall'Oglio mostrou interesse pelo diálogo inter-religioso entre a Igreja Católica e o mundo islâmico. Desde menino, era fascinado pela Síria e voltou para lá com uma vocação: promover a paz entre muçulmanos e cristãos.

Há 30 anos, a Síria se tornou a sua casa, é lá que ele debate sobre a natureza de Deus com sunitas, cristãos, xiitas e alauítas, e ensina que os cristãos não deveriam simplesmente tolerar os muçulmanos, mas amá-los. Esse fervoroso ativismo produziu o seu afastamento exigido (e implementado) pelo governo sírio, que também ameaçou a sua expulsão durante o sufocamento dos protestos populares deflagrados em 2011.

O ostracismo foi executado no dia 12 de junho de 2012. Por um breve período, o frei se transferiu para Sulaymanya, no Curdistão iraquiano, acolhido na nova fundação monástica de Deir Maryam el Adhra.

No dia 31 de julho de 2013, na Igreja do Gesù, por ocasião da festa litúrgica de Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus, o papa, ao se dirigir aos "coirmãos", dirigiu um afetuoso pensamento ao padre Dall'Oglio dizendo: "Penso no padre Paolo", manifestando a sua proximidade ao coirmão desaparecido e à sua família.

Na verdade, o porta-voz da Sala de Imprensa vaticana, padre Federico Lombardi, ressaltou frequentemente a atenção prestada por Francisco sobre o caso e o fato de que o pontífice acompanha de perto os progressos do inquérito iniciado pelo Ministério dos Assuntos Exteriores italiano, através da nunciatura de Damasco, atualmente em contato com a Cúria Generalícia dos jesuítas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sequestro do padre jesuíta Paolo Dall'Oglio completa 30 meses: ainda nenhuma notícia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV