O Cais Mauá e as barreiras entre o Guaíba e a cidade

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • O Vaticano levanta definitivamente o veto a Gustavo Gutiérrez

    LER MAIS
  • Cardeal Müller: documento vaticano sobre a Amazônia contém heresia e estupidez. “Não tem nada a ver com o cristianismo”

    LER MAIS
  • Mentiras invadindo mentes podem criar maiorias dementes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Outubro 2015

Milton Cruz discute que cidade queremos a partir do projeto de revitalização do Cais. Na visão dele, com ou sem muro, a vista do Guaíba pode se tornar privilégio de poucos

Quem vive em Porto Alegre ou mesmo conhece um pouco da cidade já deve ter ouvido: “a cidade está de costas para o Guaíba”. O que baseia a sentença é o fato de o Cais Mauá, na orla do Rio Guaíba, estar fechado para acesso público e pela existência de um muro que está entre o espaço e a avenida. Daí, nasce o interesse de revitalizar a área para que seja mais bem aproveitada. Mas será que isso garante que a “cidade vire de frente para o Guaíba”? E derrubando o muro, a vista se tornará pública para quem passa na avenida? As questões fazem parte da problematização trazida por Milton Cruz, pesquisador da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS e do Observatório das Metrópoles, na sua conferência no IHU Ideias do último dia 22-10.

Analisando o Plano de Impacto Ambiental, ele observa as intenções de uso do espaço pelo Cais Mauá (grupo de empresas privadas que investirá na obra e financiará o empreendimento). “A intenção é ver que projeto de cidade se quer. Precisamos pensar em dar qualidade de vida para as pessoas, numa cidade pensada para o futuro”, destaca.

Milton Cruz: "projeto tem visão fordista e industrial"
Na análise minuciosa do projeto, aponta inúmeras deficiências. A central é a concepção de algo pensado num modelo industrial, de geração de emprego – através do comércio – no local, com valorização exclusivamente do modal rodoviário. “Gostaria que o projeto apontasse para o futuro e não pensasse uma cidade no passado, mas não é isso que se percebe”, alerta. O projeto enfatiza o uso das vias locais, já saturadas pelo trânsito, e o aumento de vagas de estacionamento. “Sem levar em conta que o fluxo de pessoas aumentará muito, e sequer cogita a construção de ciclovias, embora fale em construção de bicicletários. Também não leva em conta as pessoas que podem ir a pé para o Cais. Há um túnel hoje que liga o Mercado Público com o Cais e que sequer se pensa em redimensionar ou em buscar alternativas”, aponta.

Cruz ainda destaca que a ideia de revitalização do Mauá não dialoga com outras diretrizes já existentes na cidade. É o caso, por exemplo, do plano cicloviário e de arborização que Porto Alegre conta e que não são desconsiderados. São dispositivos legais para além do Plano Diretor da cidade que devem se entrelaçar ao projeto, tentando dar um aspecto mais integrado ao pensamento que já se tem sobre a cidade que se quer no futuro. “Além de não se utilizar desse instrumento legal já existente, o projeto parece não abrir de fato a discussão popular sobre o uso. Podemos estar perdendo um momento histórico da cidade para discutir um projeto de futuro”, alerta o pesquisador.

Vida de consumo

Quando se quer “vender” o projeto de recuperação do cais Mauá não se fala só em revitalização daquele espaço, mas em revitalização do centro histórico. “É como se o centro estivesse morto, sem vida, mas não é isso. Há comércio de rua e muitas atividades locais. O projeto parece ignorar isso e, mais uma vez, não leva em conta documentos que se tem sobre o Centro Histórico, como os estudos de utilização socioeconômica”, enfatiza Cruz. Na verdade, o que o projeto de revitalização enfatiza é a construção de um shopping center. Quer de imediato construir torres e não se debruça sobre pensar mais intensamente em reaproveitar os armazéns existentes. Assim, baseia a utilização da área como espaço para o trabalho e consumo, afastando-se de outras formas de lazer, como caminhadas, práticas esportivas, ou simplesmente passear na margem do Rio, mudando a geografia do lugar.

E o pesquisador ainda aponta que, ao conceber um centro comercial, o projeto não dialoga com outros pontos do Centro Histórico, como a Praça da Alfândega, que concentra também um circuito de museus e prédios históricos. “A Feira do Livro já provou que a ligação entre as duas áreas é muito importante, e o projeto de revitalização não parece levar isso em conta. Além disso, há uma série de atividades, como caminhadas, passeios guiados, linha de ônibus turística, que já ocorrem no centro e não são considerados”, aponta Cruz, ao lembrar que o Centro Histórico não está morto e que é preciso rever esse conceito de “revitalização”.

Com muro ou sem muro?

Foto atual do Cais Mauá
Foto:commons.wikimedia.org
O muro que cerca o cais ao longo da Avenida Mauá é alvo de grande polêmica. Há quem defenda sua queda por completo e há quem entenda que esse é um instrumento importante para bloquear as cheias do Guaíba. As recentes chuvas que assolam o Rio Grande do Sul deram força para esse segundo grupo. Em função das enchentes, recentemente, foi necessário fechar as comportas e usar o muro como contenção. Porém, viu-se que uma dessas comportas vazou e não impediu o avanço das águas. O debate pela permanência ou não do muro dentro dessa ideia de revitalização, para Cruz, está desfocado. “Eu mesmo fiquei sabendo só agora que o muro foi construído como contenção, mas nunca foi testado. Só agora se viu que tem problema.”

Cruz usa esse episódio para destacar como ainda se sabe pouco a respeito do impacto das enchentes no Cais. E, segundo ele, surpreendentemente, o plano de revitalização não leva em conta esse cenário. “Não há, por exemplo, sequer um plano de emergência para essas situações de cheias, como existem em aeroportos em casos de acidentes.” Assim, o professor provoca a pensar num modelo de revitalização que vá para além da discussão de eliminar ou não barreiras físicas. Afinal, pode-se derrubar o muro e poucas pessoas conseguirem apreciar a silhueta do horizonte sobre o rio. “Essa obra mexe no horizonte da cidade e o medo é de que poucos, só aqueles que têm acesso ao consumo e ao capital, tenham como desfrutar desse espaço. Fala-se em sinergia do projeto, mas o vejo com uma abordagem fordista e industrial, sem participação popular”, enfatiza o pesquisador ao provocar as pessoas a se integrarem mais a esse debate.

Por João Vitor Santos

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Cais Mauá e as barreiras entre o Guaíba e a cidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV