Católicos e luteranos em busca de um denominador comum sobre o batismo

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que deve ser cancelado? Eis a questão

    LER MAIS
  • Indígena assassinado no Maranhão é o 4º Guajajara morto de forma violenta em menos de dois meses

    LER MAIS
  • Padre Miguel Ángel Fiorito, SJ, meu Mestre do Diálogo: "Ele nos ensinou o caminho do discernimento". Artigo do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Julho 2015

Teólogos luteranos e católicos reuniram-se em Budapeste, Hungria, entre os dias 13 e 21 de julho como parte de seu compromisso de compreender o denominador comum que partilham – e as diferenças que possuem – sobre o batismo.

A reportagem é de Cornelia Kästner, publicada pela Federação Luterana Mundial, 24-07-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Estas duas tradições cristãs (a luterana e a católica) vêm dialogando há 50 anos sobre uma variedade de questões teológicas, e a reunião mais recente da Comissão Internacional de Diálogo Luterano-Católica pela Unidade teve como foco o “batismo e a crescente comunhão”.

Neste estudo sobre o batismo, a citada Comissão tem dado continuidade aos diálogos ecumênicos anteriores sobre o assunto, além de estar se centrando na questão concernente ao tipo de comunhão eclesial que surge a partir da compreensão luterana e católica compartilhada do batismo.

A reunião de Budapeste foi organizada pela Federação Luterana Mundial – FLM, pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos e pela igreja anfitriã: a Igreja Evangélica Luterana na Hungria. As discussões foram realizadas no Seminário Teológico Luterano.

Crescer na comunhão

Este diálogo começou em 2009, mas foi interrompido por causa dos preparativos para o documento de estudo “Do Conflito à Comunhão”, que é a primeira tentativa dos luteranos e católicos de descrever, em conjunto, a história da Reforma, cujo 500º aniversário será celebrado em 2017.

“Alguns podem se perguntar por que precisamos de diálogo entre luteranos e católicos sobre o batismo, enquanto há outras questões teológicas que apresentam desafios maiores entre as duas tradições”, disse a Reva. Kaisamari Hintikka, diretora do Departamento de Teologia e Testemunho Público da FLM. Kaisamari acrescentou que, ao olhar para o tipo de comunhão que surge na base da nossa compreensão comum de batismo, a Comissão responde a um dos imperativos ecumênicos apresentados em “Do Conflito à Comunhão”, o qual luteranos e católicos devem sempre se basear, tendo presente a perspectiva de unidade. “Por isso, acredito que este ponto de partida nos apresenta uma boa oportunidade para crescer na comunhão que já existe entre nós”, acrescentou a reverenda.

Reuniões interconfessionais

O diálogo foi copresidido pelo Bispo Emérito Eero Huovinen (de Helsinque, Finlândia), do lado luterano, e por Dom William Kenney (Birmingham, Reino Unido), do lado católico. Os trabalhos da reunião estiveram baseados em documentos temáticos breves elaborados pelos membros da Comissão.

Durante a reunião, uma recepção foi organizada pela Igreja Evangélica Luterana na Hungria. A recepção se deu numa escola local, onde os membros da Comissão se encontraram com representantes das igrejas luterana, católica e reformada, e do governo húngaro.

No dia 19 de julho, os membros da Comissão visitaram a cidade de Szentendre, onde participaram de um culto e um batismo luterano presidido pelo Rev. Olivier Horváat-Hegyi. Mais tarde, o professor doutor Pe. Mihaly Kranitz, da Igreja Católica húngara, acompanhou os membros da Comissão em uma visita guiada à Basílica de Esztergom, antiga capital da Hungria.

Em direção a uma unidade tangível

Em uma entrevista, a teóloga católica suíça Eva-Maria Faber, membro da Comissão, falou sobre em que ponto se encontra o diálogo entre as duas tradições religiosas, que tem visto uma série de marcos importantes ao longo das últimas cinco décadas.

“Os passos para uma unidade mais tangível, por exemplo, no sentido de uma comunhão eucarística mais visível, podem ser deficientes, já que não esclarecemos todas as questões teológicas nem resolvemos as diferenças”, disse.

“Mas permanecer na divisão também é deficitário e pode ter sérias consequências”, acrescentou Faber, que leciona Teologia Dogmática e Fundamental na Universidade Teológica de Chur, na Suíça.

Teólogo protestante, o professor doutor Theodor Dieter, diretor do Instituto de Estrasburgo para a Pesquisa Ecumênica, considerou este diálogo uma “forma de ver a nossa própria igreja com os olhos de uma outra igreja. Não devemos perder de vista o nosso parceiro de diálogo – este é um desafio constante”, disse ele.

A próxima reunião da Comissão Internacional de Diálogo Luterano-Católica pela Unidade acontecerá entre os dias 14 e 21 de julho de 2016 em Londres, e será organizada pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Católicos e luteranos em busca de um denominador comum sobre o batismo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV