Compostagem: ‘Revolução dos Baldinhos’ garante saúde e alimentos saudáveis

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolívia. “O elemento central da derrubada de Evo Morales não é a direita, mas o levante popular”. Entrevista com Fabio Luís Barbosa dos Santos

    LER MAIS
  • Finanças do Vaticano, o jesuíta espanhol Juan Antonio Guerrero é o novo prefeito

    LER MAIS
  • Representante do Papa participa de Encontro "Economia de Francisco" na PUC-SP

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Março 2015

Uma epidemia de ratos, em 2008, fez com que os moradores de Chico Mendes, comunidade de Florianópolis (SC), modificasse a maneira de lidar com o lixo produzido. Os moradores compreenderam que os restos de comida alimentavam e atraíam os ratos e que precisavam de um lixo mais limpo. Para isso, era fundamental separar os resíduos orgânicos dos demais materiais descartados.

A reportagem é de Cláudia Moreira, publicada pela Fundação BB e reproduzida pelo portal EcoDebate, 10-03-2015.

Nascia a Revolução dos Baldinhos. Cada família participante passou a ter um baldinho, usado para recolher os resíduos orgânicos que passaram a ser encaminhados para compostagem. Já o composto preparado com o aproveitamento do lixo orgânico é excelente adubo, o que resolve a dificuldade da preparação da terra para cultivo de alimentos em áreas urbanas.

A tecnologia social “Gestão Comunitária de Resíduos Orgânicos e Agricultura Urbana – Revolução dos Baldinhos” constrói um cíclo virtuoso. No momento em que se recolhe resíduos orgânicos nas casas, escolas e creches, o adubo é entregue aos moradores, que utilizam em suas hortas e pequenas plantações orgânicas, resultando em alimentos saudáveis.

O lixo que segue para a coleta pública, sem a mistura de restos de comida, fica seco, sem mau cheiro, não suja a rua e é mais facilmente manuseado. Além disso, ao separar o lixo, a comunidade faz a triagem de materiais, encaminhando aquilo que poderia ser reciclado para a reciclagem.

Agentes comunitários, em geral jovens, recebem uma bolsa de estudo vinculada à frequência escolar. Eles sensibilizam as famílias para a separação do material, gerenciam coleta e transformação do resíduo orgânico em compostagem. Oferecem palestras nas escolas, creches e recebem grupos para conhecer o trabalho.

A metodologia, que pode ser consultada no Banco de Tecnologias Sociais, é uma das cinco tecnologias sociais que será reaplicada pelas 38 entidades credenciadas pela Fundação BB no Programa Nacional de Habitação Urbana – PNHU, em desesseis estados brasileiros.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Compostagem: ‘Revolução dos Baldinhos’ garante saúde e alimentos saudáveis - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV