Documentos mostram como a NSA grampeia o planeta

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas | 23 Junho 2014

Novo relatório feito pelo The Intercept e um jornal dinamarquês associado revela que a Agência de Segurança Nacional (NSA, em inglês), além de seu conhecido programa de espionagem das nações do Five Eyes, também possui acordos de vigilância extensos e desconhecidos com outras nações, o que permite um acesso sem precedentes ao sistema de comunicação global e à informação privada de cidadãos do mundo todo que o utilizam.

A reportagem é de Jon Queally, publicada por Carta Maior, 21-06-2014.
 
Baseado em documentos fornecidos por Edward Snowden, o relatório detalha um programa chamado RAMPART-A, que usa “pontos de congestionamento” localizados pelo mundo e permite que a agência “intercepte o conteúdo de chamadas telefônicas, faxes, e-mails, chats de internet, dados de redes privadas, e chamadas de softwares como o Skype".
 
A NSA não deu nenhuma declaração ao The Intercept sobre o programa RAMPART-A, mas o porta-voz da agência, Vanne Vines, ofereceu esta: “o fato de que o governo dos EUA trabalha com outras nações, sob condições especificadas e reguladas, reforça a segurança de todos. Os esforços da NSA se focam em assegurar a proteção da segurança nacional dos Estados Unidos, seus cidadãos e nossos aliados, perseguindo unicamente aparatos de inteligência estrangeiros”.

Além do seu longo alcance, o que se sustenta sobre o programa é sua força bruta. Como explicou o jornalista do Intercept Ryan Gallagher, o poder computacional do equipamento usado no RAMPART-A “permite que a NSA verificar três terabytes de dados por segundo enquanto tais dados passam pelos cabos comprometidos - o equivalente a ser capaz de baixar cerca de 5.400 filmes de alta-definição por minuto.”
 
Os documentos mostram que havia pelo menos 13 locais secretos para o programa pelo mundo e Gallagher detalha como estes locais coincidem com tudo o que é conhecido sobre as parcerias da NSA, muito do que foi previamente reportado e documentado no novo livro de seu colega Glenn Grenwald, No Place To Hide.
 
Sobre a existência de um programa “politicamente explosivo” como esse, Gallagher explica que em troca de oferecer sede a poderosas estações de escuta, os governos e agências ganham “acesso ao sofisticado equipamento de segurança da NSA, e então eles também podem espionar os dados que passam por seu território.”

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Documentos mostram como a NSA grampeia o planeta - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV