O erro de demonizar o gênero. Artigo de Serena Noceti

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Como as lideranças católicas ajudaram a dar origem à violência no Capitólio dos EUA. Artigo de James Martin

    LER MAIS
  • “O trumpismo se infiltrou na Igreja Católica dos Estados Unidos”. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Irlanda, 9 mil crianças mortas em casas para mães solteiras: o 'mea culpa' de Dublin sobre 76 anos de maus-tratos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Mai 2014

Recorrer ao gênero não implica por si só pensar em uma insignificância da diferença biológica; significa estar consciente de que toda diferença fisiológica e genética nunca pode ser pensada sem a leitura cultural.

A opinião é da teóloga italiana Serena Noceti, professora da Faculdade Teológica da Itália Central, responsável pela catequese de adultos da Diocese de Florença e membro da Associação Teológica Italiana. O artigo foi artigo publicado na revista Jesus, de maio de 2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Nos últimos meses, muitas vozes do mundo católico se levantaram para condenar a "ideologia de gênero", depois do incidente da cartilha Unar para as escolas. Não entro no mérito da questão específica, mas considero necessária uma reflexão crítica sobre os estudos de gênero, que ilustre fatores que levaram à emergência história da categoria, das características e das perguntas que ela levanta, para captar a fluidez do conceito e identificar os seus diversos usos, sem se achatar em uma condenação geral de algumas posições e sem se limitar a uma demonização a priori do termo.

É determinante, de fato, o modelo antropológico interpretativo da identidade humana e das relações (também institucionalizadas) que é adotado. O conceito de gênero fez a sua aparição nos Estados Unidos na metade dos anos 1970 para indicar a determinação no plano cultural das diferenças físicas, biológicas, genéticas (definidas pelo termo "sexo").

Gênero expressa a ideia de que a identidade de mulheres e de homens nunca é rigidamente determinada unicamente pela dimensão física e biológica, mas é sempre expressada em um quadro cultural e linguisticamente definido. O tema, depois, foi pensado em relação à educação e ao exercício do poder na sociedade.

A partir dos anos 1980, desenvolveram-se "teorias (radicais) de gênero", em que o gênero é destacado totalmente do "sexo"; a identidade não é definida a priori nem pela biologia, nem pelo gênero em sentido histórico-cultural, mas é sujeita a infinitas mudanças possíveis.

São evidentes os riscos de desagregação da identidade humana inerentes a essas teorias radicais, denunciados, além disso, pelo Magistério. Essas teorias de gênero representam um resultado, não o único.

Recorrer ao gênero não implica por si só pensar em uma insignificância da diferença biológica; significa estar consciente de que toda diferença fisiológica e genética – de homens e de mulheres, porque não estamos falando apenas de feminino – nunca pode ser pensada sem a leitura cultural.

A pergunta pela identidade se coloca no cruzamento entre "natureza" e "cultura" sem reduções indevidas unicamente ao dado da diferença biológica e sem restrições a leitura de "papéis sociais" que são derivados da biologia.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O erro de demonizar o gênero. Artigo de Serena Noceti - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV