Organizações realizam ato em São Paulo contra os leilões do pré-sal

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • COP26, estrada difícil: aqui estão os documentos que comprovam a resistência aos empenhos climáticos

    LER MAIS
  • Com receita de R$ 1,4 bi, maior exportadora de ouro do garimpo tem cadeia contaminada por metal ilegal

    LER MAIS
  • Os três movimentos de Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 01 Outubro 2013

Na próxima quinta-feira (3), as centrais sindicais, associações, integrantes dos movimentos sociais do Brasil, reunidos no Comitê Estadual de Defesa do Petróleo, se mobilizam contra o leilão do campo de Libra em frente à Petrobras, na avenida Paulista, em São Paulo.

A reportagem é publicada pelo MST, 30-09-2013.

As organizações pedem que o governo federal suspenda o leilão das reservas do pré-sal, marcado para o próximo dia 21 de outubro, ao considerarem o leilão um crime de lesa-pátria. Para elas, o governo coloca em risco não só a soberania, mas também o desenvolvimento do Brasil.

A lei 12351/10 permite que a Petrobrás seja contratada como única operadora das áreas do pré-sal. Trata-se do maior campo de petróleo do mundo, que, sozinho, pode fazer jorrar até 12 bilhões de barris de petróleo, e que será leiloado por R$ 15 bilhões. Entretanto, as organizações apontam que seu rendimento pode chegar a US$ 1,5 trilhões, o equivalente ao Produto Interno do Bruto (PIB) do Brasil.

Na campanha eleitoral de 2010, a presidenta Dilma Roussef, inclusive, afirmou que o pré-sal era o passaporte para o futuro do Brasil e que não iria entregar suas áreas à exploração estrangeira. “Entregar a exploração do pré-sal para as empresas estrangeiras é tirar dinheiro do Brasil”, declarou a presidente na campanha.

As organizações também denunciam que as empresas multinacionais que querem explorar o pré-sal não investem no país. Precarizam o trabalho com mão de obra terceirizada e não geram empregos no Brasil. E citam como exemplo os 62 navios feitos pela indústria de petróleo, em que 59 são da Petrobras e três da PDVSA (estatal venezuelana). Nenhuma petrolífera privada encomendou navios no Brasil.

Além da suspensão dos leilões de petróleo, as organizações também defendem uma Petrobras 100% pública e estatal, que os recursos do pré-sal sejam aplicados em saúde, educação, saneamento e desenvolvimento social.

A concentração será em frente à Petrobras, na Avenida Paulista, 901, às 17h da próxima quinta-feira (3).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Organizações realizam ato em São Paulo contra os leilões do pré-sal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV