Tensão entre índios e ruralistas no oeste do Paraná

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Liberdade e igualdade não bastam: uma cartilha sobre a Fratelli tutti. Artigo de Charles Taylor

    LER MAIS
  • Paraná. Professores entram no sexto dia de greve de fome

    LER MAIS
  • A Economia Anticapitalista dos Franciscos e das Claras

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 16 Mai 2013

O convívio entre índios e proprietários rurais no Oeste do Paraná, onde a demarcação de reservas indígenas foi interrompida a pedido da Casa Civil na semana passada, tem sido marcado pela hostilidade. A situação se agravou do fim do ano passado para cá, quando um posto da Fundação Nacional do Índio (Funai) foi instalado em Guaíra, na fronteira com o Paraguai, e os produtores rurais passaram a se organizar para reivindicar a reintegração de posse de áreas invadidas.

A reportagem é do jornal Gazeta do Povo, 15-05-2013.

Protestos durante a visita da presidente Dilma Rousseff à região, em fevereiro, fizeram com que a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, interviesse e pedisse estudos complementares sobre a criação da reserva guarani pretendida pela Funai.

Foram esses estudos que culminaram no pedido de interrupção do processo de demarcação, na semana passada. O governo já anunciou que vai alterar o processo de demarcação de terras indígenas, que contará com a participação de outros órgãos além da Funai.

Acusações

No Paraná, índios e fazendeiros trocam acusações de vandalismo e intimidação. Os proprietários das terras invadidas, nos municípios de Guaíra e Terra Roxa, acusam os índios de terem vindo do Paraguai e de outros estados, “incitados” pela Funai. A região é um dos maiores polos agrícolas do Paraná.

“Incitam os índios com promessas, com benefícios de governo”, diz o presidente do Sindicato de Produtores Rurais de Guaíra, Silvanir Rosset. “Os índios invadem áreas, saqueiam, não têm limites. E, como são índios, são intocáveis.” Os produtores dizem que o fluxo migratório aumentou no fim do ano passado, e que as terras invadidas são depredadas e queimadas.

Indigenistas negam e dizem que a população indígena na região de fronteira vive “como uma bola de pingue-pongue”, com características nômades, mas que tem direito histórico às terras.

“Aquela região é historicamente indígena. E nenhum índio saiu porque quis, todos foram compelidos a deixar esses lugares”, comenta o indigenista Edívio Battistelli. Para eles, os índios é que têm sido intimidados. Há relatos de indígenas que são xingados de “bugrinhos” e “invasores”, e de jovens que cometeram suicídio.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Tensão entre índios e ruralistas no oeste do Paraná - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV