Criminalização da política e responsabilidades

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa aprovará padres casados na Amazônia, afirma teólogo

    LER MAIS
  • “A capacidade de constituição de novos horizontes da esquerda brasileira, hoje, é nula”. Entrevista com Vladimir Safatle

    LER MAIS
  • Depressão vertiginosa que o Brasil atravessa também é herança da esquerda, diz Le Monde

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Setembro 2012

"Muitas vezes, para evitar uma dissidência e o racha subseqüente, atura-se a quase tudo em nome de alguma unidade de ação. Quando o pacto de convivência é mera convergência de interesses, o preço político é mais baixo. Tal é o caso da direita escancarada, a exemplo de PP, DEM e PSDB. . Mas, quando o mesmo pacto implica em uma exposição de motivos preocupados com o bem-estar coletivo e alguma idéia de bom governo para a maioria, o pragmatismo político torna-se insustentável. É por isso que o que sobrou de militância no PT termina por pagar um preço político alto pelo Mensalão." afirma Bruno Lima Rocha, cientísta político e professor do curso de Comunicação Social da Unisinos.

Eis o artigo

O processo do chamado Mensalão sendo julgado no Supremo traz um debate de fundo. Este é o da responsabilização da militância pelas decisões tomadas por cúpulas partidárias. A saber, não me refiro apenas aos episódios que se tornaram públicos em 2005, mas também outras mazelas da política brasileira, como a manipulação do fundo partidário pelo PP (daí derivando o termo “malufar”) e os mecanismos semelhantes de formação de maioria nos governos de Minas Gerais (Mensalão Tucano, cujo alvo é o ex-governador Eduardo Azeredo, PSDB) e o do DEM no Distrito Federal (tendo como alvo o ex-governador distrital José Roberto Arruda). A tendência de parlamentares e comentaristas é tentar preservar as instituições partidárias e demonizar dirigentes. Não é tão simples.

Qualquer estudioso da política sabe que o fenômeno das oligarquias partidárias é tão sério como antigo. A tendência ao insulamento, quando um grupo de dirigentes com dedicação a tempo completo isola-se dos demais quadros e consegue neutralizar os mecanismos de controle, é real. Mas, como todo estudante de ciências sociais em suas primeiras armas já sabe, toda estrutura é estruturante, e para que esta não se retro-alimente é necessário não apenas o debate interno, mas os embates pelo controle coletivo também. O problema é o pragmatismo político. É lugar comum pressupor a defesa da instituição, preservando sigla e legenda, mesmo que em detrimento de um programa histórico (no caso brasileiro, refiro-me a ex-esquerda outrora reformista). Daí a um racha, uma secessão fruto de incompatibilidade (incongruência) entre plataforma de campanha, política de alianças, missão de partido e formação de bloco de governo é inevitável. Qualquer semelhança com o racha do partido de José Dirceu, José Genoíno, Delúbio Soares e Silvio Pereira ocorrido em 2003, não é nenhuma coincidência.

Muitas vezes, para evitar uma dissidência e o racha subseqüente, atura-se a quase tudo em nome de alguma unidade de ação. Quando o pacto de convivência é mera convergência de interesses, o preço político é mais baixo. Tal é o caso da direita escancarada, a exemplo de PP, DEM e PSDB. Mas, quando o mesmo pacto implica em uma exposição de motivos preocupados com o bem-estar coletivo e alguma idéia de bom governo para a maioria, o pragmatismo político torna-se insustentável. É por isso que o que sobrou de militância no PT termina por pagar um preço político alto pelo Mensalão.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Criminalização da política e responsabilidades - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV