EUA: bispo é condenado por ''encobrir'' padres pedófilos

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Müller também se recusa, na 'TV do diabo', a participar do Sínodo

    LER MAIS
  • Aquele que veio para desconstruir e devastar - Frases dia

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Junho 2012

Pela primeira vez, um expoente da cúpula da Igreja Católica norte-americana foi condenado por encobrir padres pedófilos. Isso aconteceu na Filadélfia, onde – depois de quase duas semanas de deliberações – os 12 membros de um júri popular julgaram Dom William Lynn, de 61 anos, como culpado de "ter posto crianças em risco".

A reportagem é de Alessandro Speciale, publicada no sítio Vatican Insider, 23-06-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Lynn, de 1992 a 2004, foi o responsável pelo clero da Arquidiocese da Filadélfia e caberia a ele apontar e investigar as acusações de abuso sexual contra sacerdotes que estavam em contato com as crianças. Os jurados o consideraram culpado – absolvendo-o de duas outras acusações, incluindo de "conspiração" –, porque, embora estando a par de acusações confiáveis contra dois sacerdotes, James Brennan e Edward Avery, ele permitiu que eles continuassem exercendo o ministério e os transferiu para paróquias onde os fiéis não tinham conhecimento do risco. Os dois padres, nos seus novos cargos, continuaram molestando crianças.

Ao longo do processo, a defesa argumentou que Lynn tinha apenas o poder de sugerir cargos e transferências dos padres da diocese, dirigida na época pelo cardeal Anthony Bevilacqua, falecido em janeiro passado aos 88 anos e a quem cabia, em última análise, a responsabilidade pelas atribuições de sacerdotes.

Ao cardeal, Lynn também havia apresentado, em 1994, uma lista com os nomes de 35 padres acusados de abuso sexual contra crianças. O cardeal Bevilacqua pediu que a lista fosse destruída, mas uma cópia foi encontrada depois no cofre da diocese. A acusação, porém, insistiu no fato de que Lynn optou por proteger a Arquidiocese da Filadélfia, para evitar um escândalo que prejudicasse a imagem da Igreja, ao invés de proteger as crianças.

O veredicto contra Dom Lynn é uma vitória para o procurador distrital da Filadélfia, que desde 2002 investiga a diocese e o seu envolvimento no escândalo dos padres pedófilos, e para as associações das vítimas de abuso, que há anos pediam que fossem reconhecidas as responsabilidades não apenas dos sacerdotes molestadores, mas também daquelas pessoas que, na hierarquia eclesiástica, os haviam protegido.

"O veredito de culpabilidade é uma mensagem clara e forte segundo a qual proteger sacerdotes molestadores é um crime hediondo que ameaça famílias, comunidades e crianças, e deve, por isso, ser punido", afirmou Barbara Dorris, da associação Rede de Sobreviventes dos Abusados por Padres.

O caso da Filadélfia chega ao fim justamente quando, em muitas dioceses norte-americanas, a Igreja Católica está tentando evitar que os tempos da prescrição para o crime de pedofilia – diferentes de Estado para Estado – sejam esticados ou mesmo eliminados. Nos EUA, o escândalo da pedofilia custou à Igreja 2,5 bilhões de dólares entre custos legais, ressarcimentos e programas de prevenção, enquanto várias dioceses foram à falência.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

EUA: bispo é condenado por ''encobrir'' padres pedófilos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV