Eleições chave na Nicarágua. Sérgio Ramírez, ex-vice-presidente da Nicarágua

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • Bolívia. “O elemento central da derrubada de Evo Morales não é a direita, mas o levante popular”. Entrevista com Fabio Luís Barbosa dos Santos

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Outubro 2006

Aproxima-se o dia das eleições nacionais na Nicarágua. Aqueles que ao longo dos últimos anos temos procurado que os espaços eleitorais se abram para que o monopólio criado pelo pacto entre Daniel Ortega e Arnoldo Alemán se torne coisa do passado, podemos sentir-nos recompensados. Foram frustradas todas as tentativas de inibir candidatos ou de jogar na ilegalidade partidos, e os eleitores nicaragüenses têm desta vez a oportunidade de escolher entre cinco opções, duas delas contestatórias do velho sistema excludente do pacto, que baseou sua vantagem na polarização.
As conquistas ou avanços da democracia nicaragüense podem desaparecer de um só golpe se os votos não forem contados de maneira transparente no próximo dia 05 de novembro. É necessário dizê-lo com todas as letras. A possibilidade de fraude eleitoral é certa, e é preciso tentar evitá-la.
Sempre se tende a dizer que as eleições num país são as mais transcendentais da sua história. Na Nicarágua esta afirmação não é gratuita. Portanto, não se esqueçam da Nicarágua, digo àqueles que perguntam pelas eleições. Estamos jogando o futuro.

(cfr. notícia do dia 18-10-06, desta página). 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Eleições chave na Nicarágua. Sérgio Ramírez, ex-vice-presidente da Nicarágua - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV