Reorientar a nossa vida

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • No dia 09 de outubro de 2020, o cardeal Tolentino Mendonça abordará as contribuições de Francisco para um futuro pós-pandêmico, em conferência online

    Pandemia, um evento epocal. A encíclica Fratelli Tutti, lida e comentada por José Tolentino Mendonça, cardeal, no IHU

    LER MAIS
  • É possível o fim da espécie humana?

    LER MAIS
  • O terremoto de Bergoglio. A Secretaria de Estado fica sem carteira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Novembro 2019

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 24,37-44 que corresponde ao 1°Domingo de Advento, ciclo A do Ano Litúrgico. O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto. 

Eis o texto

Nem sempre é fácil dar um nome a este mal-estar profundo e persistente que podemos sentir em alguns momentos da vida. Assim me foi confessado em mais de uma ocasião por pessoas que, por outro lado, procuravam “algo diferente”, uma luz nova, talvez uma experiência capaz de dar nova cor ao seu viver diário.

Podemos chamá-lo de “vazio interior”, insatisfação, incapacidade de encontrar algo sólido que leve ao desejo de viver intensamente. Talvez seja melhor chamá-lo de “tédio”, cansaço de viver sempre o mesmo, sensação de não acertar com o segredo da vida: estamos enganando-nos em algo essencial e não sabemos exatamente em quê.

Às vezes a crise adquire um tom religioso. Podemos falar de “perda de fé”? Não sabemos já em que acreditar, nada consegue iluminar-nos por dentro, abandonamos a religião ingênua de outros tempos, mas não a substituímos por nada melhor. Pode então crescer em nós uma sensação estranha: ficamos sem qualquer chave para orientar a nossa vida. Que podemos fazer?

A primeira coisa é não ceder à tristeza nem à crispação: tudo nos está chamando para viver. Dentro desse mal-estar tão persistente, há algo muito saudável: o nosso desejo de viver algo mais positivo e menos falso, algo mais digno e menos artificial. O que necessitamos é reorientar a nossa vida. Não se trata de corrigir um aspecto concreto da nossa pessoa. Isso virá talvez depois. Agora, o importante é ir ao essencial, encontrar uma fonte de vida e salvação.

Por que não paramos para ouvir essa chamada urgente de Jesus para despertar? Não necessitamos escutar as Suas palavras? “Mantenham-se acordados”, “percebam o momento que estão vivendo”, “é hora de despertar”. Todos temos que nos perguntar o que estamos negligenciando na nossa vida, o que precisamos mudar e a que precisamos dedicar mais atenção e mais tempo.

As palavras de Jesus são dirigidas a todos e cada um: “Vigiai”. Temos de reagir. Se o fizermos, viveremos um desses raros momentos em que nos sentimos “despertos” desde o mais profundo do nosso ser. 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Reorientar a nossa vida - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV