Para Jesus não há casos perdidos

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que deve ser cancelado? Eis a questão

    LER MAIS
  • Padre Miguel Ángel Fiorito, SJ, meu Mestre do Diálogo: “Ele nos ensinou o caminho do discernimento”. Artigo do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Plantas 'gritam' quando estão sob estresse, aponta estudo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Novembro 2019

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho segundo Lc 19,1-10, que corresponde ao 31° Domingo do Tempo Comum, ciclo C do Ano Litúrgico. O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto. No Brasil, as leituras correspondem à Festa de Todos os Santos e Santas, que foi transferida do dia 1º para o dia 03 de novembro.

Eis o texto

Jesus alerta com frequência sobre o risco de ficar preso pela atração irresistível do dinheiro. O desejo insaciável de bem-estar material pode deitar a perder a vida de uma pessoa. Não faz falta ser muito rico. Quem vive escravo do dinheiro acaba fechado em si mesmo. Os outros não contam. Segundo Jesus, «onde esteja o vosso tesouro, aí estará o vosso coração».

Essa visão do perigo desumanizador do dinheiro não é um recurso do Profeta indignado da Galileia. Diferentes estudos analisam o poder do dinheiro como uma força ligada a impulsos profundos de autoproteção, busca de segurança e medo da caducidade da nossa existência.

Para Jesus, a atração do dinheiro não é um tipo de doença incurável. É possível libertar-se da sua escravidão e começar uma vida mais saudável. O rico não é «um caso perdido». É muito esclarecedor o relato de Lucas sobre o encontro de Jesus com um homem rico de Jericó.

Ao atravessar a cidade, Jesus encontra uma cena curiosa. Um homem de pequena estatura subiu a uma figueira para O poder ver de perto. Não é um desconhecido. Trata-se de um rico, poderoso chefe de cobradores. Para o povo de Jericó, um ser desprezível, um cobrador corrupto e sem escrúpulos. Para os setores religiosos, «um pecador» sem conversão possível, excluído de toda a salvação.

No entanto, Jesus faz-lhe uma proposta surpreendente: “Zaqueu, desce depressa, porque hoje tenho que ficar em tua casa”. Jesus quer ser acolhido na sua casa de pecador, no mundo de dinheiro e poder deste homem desprezado por todos. Zaqueu desceu de imediato e recebeu-O com alegria. Não tem medo de deixar entrar na sua vida o defensor dos pobres.

Lucas não explica o que aconteceu naquela casa. Diz apenas que o contato com Jesus transforma radicalmente o rico Zaqueu. O seu compromisso é firme. A partir de agora, pensará nos pobres: compartirá com eles os seus bens. Recordará também as vítimas de que abusou: devolverá com juros o que foi roubado. Jesus introduziu na sua vida justiça e amor solidário.

O relato conclui com umas palavras admiráveis de Jesus: “Hoje entrou a salvação nesta casa, pois também este é filho de Abraão”. “Porque o Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido”. Também os ricos se podem converter. Com Jesus tudo é possível. Ninguém o deve esquecer. Ele veio para procurar e salvar o que nós podemos estar a perder. Para Jesus não há casos perdidos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para Jesus não há casos perdidos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV