João, o Senhor faz graça

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Nunca se viu no Brasil um governo tão abençoado pelas igrejas

    LER MAIS
  • Cardeal Hollerich “está aberto” ao sacerdócio das mulheres

    LER MAIS
  • "A REPAM é fazer conectar aquilo que é comum de todos". Entrevista com João Gutemberg Sampaio, novo secretário executivo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Junho 2018

Publicamos aqui o comentário do monge italiano Enzo Bianchi, fundador da Comunidade de Bose, sobre o Evangelho deste domingo, 24 de junho, solenidade da Natividade de São João Batista (Lc 1, 57-66). A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

A solenidade da Natividade de São João Batista prevalece sobre o lecionário dominical. No início do verão [europeu], celebra-se essa grande festa, uma recorrência antiga, já atestada por Santo Agostinho na África. Ao lado de Maria, a mãe do Senhor, João Batista é o único santo do qual a Igreja celebra não apenas o dia da morte, o dies natalis para a vida eterna, mas também o dies natalis neste mundo: de fato, João é a única testemunha da qual o Novo Testamento recorda o nascimento, tão entrelaçada com a de Jesus.

E é justamente essa intersecção de fatos que levou à escolha da data de 24 de junho para celebrar a sua memória: se a Igreja recorda o nascimento de Jesus no dia 25 de dezembro, não pode deixar de recordar a de João no dia 24 de junho, já que ela ocorreu, como testemunha o Evangelho segundo Lucas, seis meses antes.

O paralelismo dessas datas contém também uma simbologia, pelo menos na bacia do Mediterrâneo, que foi o cadinho da fé judaico-cristã: se o dia 25 de dezembro, solstício de inverno, é a festa do sol vencedor, que começa a aumentar a sua declinação sobre a terra, o dia 24 de junho, solstício de verão, é o dia em que o sol começa a cair em declinação, tal como aconteceu na relação do Batista com Jesus, de acordo com as palavras do próprio João: “É preciso que ele cresça e eu diminua” (Jo 3, 30).

João é a luz que decresce diante da luz vitoriosa; é a lâmpada preparada para o Messias (cf. Sl 132, 17 e Jo 5, 35); é o seu precursor no nascimento, na missão e na morte; é o mestre de Jesus, seu discípulo que o segue; é o amigo de Jesus, o Noivo que vem, como diz justamente o quarto evangelho (cf. Jo 3, 29).

Poderíamos até dizer que o evangelho é a história sincrônica de dois profetas, João e Jesus, com a sua profundíssima singularidade, o seu chamado específico, mas também com a sua substancial unanimidade na busca dos desígnios de Deus, com a mesma determinação a serviço do Reino.

Sim, infelizmente, hoje, a figura do Batista não tem mais o lugar que merece na memória e na consciência dos cristãos: depois do primeiro milênio e da metade do segundo – em que João Batista e Maria juntos representaram a ligação entre antiga e nova aliança e juntos, como intercessores, estavam ao lado d’Aquele que vem, o Senhor glorioso, na liturgia como na iconografia – o crescimento do culto de muitos santos que se tornaram mais populares ultrapassou o Batista, acabando por obscurecê-lo, iniciando um desvio arriscado para o equilíbrio da consciência cristológica.

Se a Igreja, ainda hoje, celebra como solenidade o nascimento do Batista é porque permanece consciente da centralidade reveladora dessa figura: nos sinóticos, a boa notícia do anúncio do Reino sempre se abre com João, assim como o evangelho da infância de Jesus segundo Lucas se abre com o anúncio do anjo a Zacarias (cf. Lc 1, 25-25) e com o relato do nascimento prodigioso de João.

Meditemos, portanto, sobre o primeiro capítulo do Evangelho segundo Lucas. O anjo do Senhor se apresentara ao sacerdote Zacarias enquanto este, no templo, celebrava a oferta do incenso, e havia lhe revelado o nascimento de um filho como resposta à oração dele e de sua esposa, Isabel.

Zacarias, de fato, era velho, e sua esposa, estéril. Durante toda a vida, haviam esperado um filho e o invocaram com fé, mas agora haviam chegado a uma velhice sem futuro. Esse anjo, Gabriel, o mensageiro da libertação de Israel (cf. Dn 8, 15-27; 9, 20-27) e da hora messiânica, revela a Zacarias o cumprimento de toda a espera de Israel: o nascituro, repleto do Espírito Santo, caminhará diante do Senhor que vem e preparará o povo dos fiéis para acolher a sua vinda.

Zacarias, homem justo e irrepreensível diante do Senhor, porém, fica perturbado e cheio de temor. Então, pergunta ao anjo como isso será possível, dada a sua velhice e a esterilidade da esposa: ele, portanto, permanece incrédulo, de acordo com o relato evangélico e não consegue mais falar.

“Acreditei, por isso falei”, diz o salmo (115 [116] LXX, 10), porque a palavra humana dirigida a Deus sempre deve brotar da fé. Por isso, Zacarias não pode abençoar a assembleia em oração no templo, e essa bênção permanecerá interrompida até que Jesus ressuscitado a der à sua comunidade, subindo ao céu (cf. Lc 24, 50-51).

Mas eis que os dias de gravidez de Isabel se completam, e a estéril dá à luz um filho, despertando alegria em todos os seus parentes e conhecidos, porque esse filho parece um sinal irrefutável da misericórdia de Deus. O pai Zacarias, porém, ainda está na condição de não eloquência, então a mãe, com grande audácia e contra todo o costume daquele tempo, impõe ao filho da graça o nome de Jochanan, que significa justamente “o Senhor faz graça” [o Senhor é gracioso]. A esterilidade se tornou fecundidade, a humilhação se transformou em bravura, a espera cheia de fé vê o cumprimento por parte de Deus daquilo que era impossível para os humanos.

Zacarias e Isabel eram dos ‘anawim, aqueles pobres curvados pela vida que esperam somente no Senhor, mas agora, justamente, são eles o instrumento, testemunhas da ação de salvação que Deus realiza em favor de todo o Israel.

Não pode passar despercebida a força de Isabel, que, contra a contestação dos parentes, dá ao filho o nome designado pelo anjo Gabriel para indicar a missão confiada por Deus ao nascituro. Se o nome Isabel significa “Deus prometeu”, com a graça manifestada no nascimento de João, a promessa se cumpriu. E agora que a mãe impôs o nome ao menino, derrete-se a língua de seu pai Zacarias, que pronuncia o famoso Benedictus, um salmo de bênção ao Deus de Israel que visitou e redimiu o seu povo (cf. Lc 1, 67-79).

Esse nascimento prodigioso testemunha que João é um homem que somente Deus podia dar a Israel: dom da misericórdia de Deus, resposta àqueles que, na pobreza, na humildade e na fé, haviam esperado com perseverança, durante séculos, a vinda do Messias, do Salvador enviado por Deus.

Os tempos da nova aliança já estão inaugurados, o precursor do Messias está presente e o precede. Mais, ele o reconhece no primeiro encontro, como ocorre na visita que Maria, grávida de Jesus, faz a Isabel, grávida de João (cf. Lc 1, 39-45). O Batista, portanto, nasce em uma família de judeus crentes, mas a sua vocação vai lhe pedir para deixá-la desde a adolescência, para ir ao deserto até o dia da sua manifestação a Israel. João se prepara para a missão porque, desde a concepção, a “mão de Deus” está com ele.

Toda a sua história se cruza com a de Jesus, e os eventos da sua vida narrados no evangelho não são apenas prefigurações daqueles que acontecerão com Jesus, mas também são sincrônicos, contemporâneos, até se sobreporem e se confundirem uns com os outros: João e Jesus viveram juntos!

E mesmo quando João for morto violentamente, a sua vida e a sua missão aparecerão em plenitude na de Jesus. Certamente, não é por acaso que o evangelho registra a opinião do rei Herodes sobre Jesus: “É João Batista ressuscitado dentre os mortos” (cf. Mc 6, 16), nem que os discípulos relatam a Jesus o julgamento de alguns contemporâneos que diziam dele: “É João Batista” (cf. Mc 8, 28 e par.).

Quando João morrer, ele antecipará a morte de Jesus e a prefigurará como paixão do profeta perseguido e morto na própria pátria. Mas, assim como na sua morte Jesus também morre, do mesmo modo na ressurreição de Jesus também João Batista ressuscita.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

João, o Senhor faz graça - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV