Jesus, lugar do encontro definitivo com Deus

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Refazer os padres, repensando os seminários. Artigo de Erio Castellucci

    LER MAIS
  • Por que os bispos dos EUA não defendem o Papa Francisco dos ataques das mídias estadunidenses?

    LER MAIS
  • PEC 32: ‘terceira via’ e bolsonaristas se unem contra servidores, diz analista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Março 2018

Publicamos aqui o comentário do monge italiano Enzo Bianchi, fundador da Comunidade de Bose, sobre o Evangelho deste 3º Domingo da Quaresma, 4 de março (Jo 2, 13-25). A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Neste Terceiro Domingo da Quaresma, a Igreja nos oferece um relato tirado do quarto evangelho, referente à primeira epifania de Jesus em Jerusalém, no início de seu ministério público.

O episódio é introduzido pela anotação temporal: “Estava próxima a Páscoa dos judeus”, a festa que Israel celebra todos os anos na lua cheia da primavera como memorial do êxodo do Egito, a ação salvífica com a qual o Senhor criou seu povo santo, libertando-o da escravidão para conduzi-lo à terra da liberdade.

Essa especificação temporal relativa à subida de Jesus a Jerusalém será retomada outras duas vezes no evangelho (cf. Jo 6, 4; 11, 55). É um detalhe de profundo significado, porque todas as vezes a festa da Páscoa recebe da ação e das palavras de Jesus um significado mais pleno, até a revelação de que ele mesmo é o cordeiro pascal morto na véspera da Páscoa, que ele inaugura a Páscoa de salvação definitiva e universal.

Tendo subido a Jerusalém por ocasião dessa festa, Jesus entra no templo (ierón), o lugar do encontro com Deus, onde está o Santo dos santos, o local de sua Presença (Shekinah) na Terra, mas constata que ele não é respeitado na sua função; ao contrário, de lugar de culto a Deus, tornou-se lugar comercial, sede de tráficos “bancários”, mercado onde reina o ídolo do dinheiro.

O sinédrio, de fato, havia organizado sobre o Monte das Oliveiras um caminho para os animais destinados ao sacrifício, e Caifás tinha reservado uma parte do átrio para o mercado das vítimas necessárias aos sacrifícios. Como é possível tal perversão?

No entanto, de acordo com as invectivas dos profetas, isso ocorreu com o primeiro e o segundo templos (cf. Is 7, 7; Jr 7, 17; Ml 3, 1-6), e continua acontecendo também em muitos lugares cristãos... O mercado – na época, de animais necessários para os sacrifícios; hoje, de objetos sagrados, devocionais – facilmente se instala onde as pessoas acorrem, sempre lentas para crer, mas facilmente religiosas.

É claro, aquele mercado na área do templo, exatamente no átrio reservado aos gojim, às pessoas, para que pudessem se aproximar e buscar o Deus vivo, proporcionava uma enorme riqueza aos sacerdotes, aos serventes do templo e a toda a cidade santa. Em particular, naquele lugar, eram instalados bancos de trocadores de moedas, que permitiam que aqueles que provinham da diáspora trocassem as moedas, fizessem ofertas ao templo e adquirissem as vítimas para os sacrifícios.

Encontrando essa realidade, imediatamente Jesus “fez então um chicote de cordas e expulsou todos do Templo, junto com as ovelhas e os bois; espalhou as moedas e derrubou as mesas dos cambistas. E disse aos que vendiam pombas: ‘Tirai isto daqui! Não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio!’”.

Jesus faz uma ação, um sinal e diz uma palavra. Desse modo, revela-se como um profeta que denuncia o culto perverso, que, com parrhesía, com franqueza, lê a situação presente e ousa declarar diante de todos o triste fim daquela que ainda é a casa de Deus, seu Pai.

Jesus pede para pôr fim àquela prática indigna de Deus, dá um sinal do cumprimento da purificação da casa de Deus anunciada pelos profetas para os últimos tempos e implementa a profecia de Zacarias: “Naquele dia, não haverá mais nenhum comerciante na casa da Senhor” (Zc 14, 21). Como Jeremias, ele critica a prática religiosa que o templo parecia exigir em nome de Deus (cf. Jr 7, 15), mas, dizendo que aquela é a casa de seu Pai, revela que é o Filho, portanto, o Messias, o Filho de Deus (cf. Sl 2, 7), esperado pelos judeus como purificador e juiz.

O gesto feito por Jesus é escandaloso para os sacerdotes e para os homens religiosos da cidade santa. Diante dessa ação que contradiz sua função e autoridade, eles se perguntam quem é esse Jesus que veio da Galileia. Portanto, pedem-lhe as credenciais: que autoridade ele tem? E, se a tiver, que dê um sinal, que mostre sua autorização para agir desse modo!

Ao expulsar todas as vítimas destinadas ao sacrifício pascal, Jesus, de fato, impede a celebração da Páscoa de acordo com a Torá, atenta ao próprio culto. Diante dessa acusação, implícita nas afirmações daqueles homens religiosos que se voltam para ele, Jesus responde com palavras enigmáticas, que são uma profecia, mas que aqueles contestadores não podem compreender em sua verdade. Ele diz, de fato, desafiando-os: “Destruí este santuário (naós), e em três dias o levantarei, o farei ressurgir”.

Jesus identifica a si mesmo, seu corpo, com o santuário, com a tenda levantada no deserto onde Deus habitava, na qual residia a Shekinah. Aqueles inimigos de Jesus podem suprimi-lo, e assim efetivamente acontecerá, porque o levarão à cruz e à morte; mas, em três dias, ele levantará novamente aquela tenda da Presença de Deus que é seu corpo. Será sua ressurreição dos mortos! Mas essas palavras ressoam como incompreensíveis, porque aqueles judeus veem o templo de Deus feito de pedras e se perguntam: “Quarenta e seis anos foram precisos para a construção deste santuário (naós) e tu o levantarás em três dias?”.

Em todo o caso, Jesus já estabeleceu o sinal, disse a palavra necessária, aquela que quer que o templo não seja casa de comércio, mas casa de Deus, e depois entra no silêncio, em uma tristeza indizível. O templo, lugar dele, por ser casa de Deus, seu Pai, o templo que o deveria ter reconhecido e se aproximado dele como o Senhor, o Kýrios que toma posse dele, precedido por João, o novo Elias (cf. Ml 3, 1-2.23-24), na realidade, não o reconhece, não o acolhe. E, logo depois, a atividade comercial e o sistema bancário retomam exatamente como antes dele, como se Jesus nunca tivesse feito aquele gesto...

Mas, ao lado dessa hostilidade, que só crescerá até a condenação de Jesus à morte, o quarto evangelho também registra a reação dos discípulos que haviam descido com ele a Jerusalém de Caná da Galileia. Quando o viram fazer aquele gesto, que não causou um mal físico a ninguém, que não era um gesto de violência, mas uma mímica altamente expressiva e eloquente, uma clara condenação do sistema religioso sobre o qual se regiam o templo e o sacerdócio, consideraram-no cheio de paixão, zelo, como Elias (cf. 1Re 19, 10.14), e o salmo tantas vezes rezado moldou seu pensamento: “A paixão pela tua casa me consumirá” (Sl 68, 10).

Na verdade, no salmo, o verbo está no passado; aqui, ao contrário, no futuro, como que dizendo que esse gesto o levará a ser consumido como o Cordeiro da Páscoa: sim, essa paixão por Deus levará Jesus à condenação e à morte! E quando Jesus, consumido por essa paixão, ressurgir, pois tal paixão-amor “até o fim” (eis télos: Jo 13, 1) por Deus e pelos homens não podia morrer, então os discípulos se lembrarão das suas palavras sobre a ressurreição em três dias: “Jesus estava falando do santuário (naós) do seu corpo”. Não será reerguido o templo de pedras destruído, mas seu corpo morto se reerguerá para a vida eterna.

Agora, portanto, o lugar do encontro com Deus é o corpo de Jesus, o lugar do verdadeiro culto a Deus é Jesus. É isso que significam suas palavras dirigidas mais tarde a Tomé e Filipe: “Ninguém vem ao Pai senão por mim (...) Quem me viu, viu o Pai” (Jo 14, 6.9). A economia e os ritos dos sacrifícios animais acabaram para sempre, Jesus é a verdadeira vítima do sacrifício: o único sacrifício de acordo com a revelação de Jesus, de fato, é “dar a vida pelos outros” (cf. Jo 15, 13) e “oferecer o próprio corpo por amor” (cf. Rm 12, 1). Essa é a boa notícia cristã, o Evangelho: o lugar da Presença de Deus não é um edifício, mas é Jesus Cristo mesmo, é um homem, é sua carne em que “habita corporalmente toda a plenitude da divindade” (Cl 2, 9).

Consequentemente, o lugar da Presença do Senhor é o corpo de Cristo (cf. 1Co 12, 12-29), que é sua Igreja, porque os cristãos são o templo de Deus (cf. 1Co 3, 16-17). É no corpo de Cristo que se revelou a glória de Deus, e é no nosso corpo que Deus habita agora através de Cristo, na comunhão do Espírito Santo.

Mas devemos confessar: aqueles judeus não conseguiam discernir em Jesus a Presença de Deus, e nós, cristãos, não sabemos discernir que Cristo está em nós. Paulo no-lo repreende: “Examinem a si mesmos e vejam se estão na fé. Ponham-se à prova. Vocês reconhecem que Jesus Cristo habita em vocês, sim ou não?” (2Co 13, 5).

Um Padre do deserto, abba Pambo, se dirigia assim a um irmão: “Tu sabes que és um tabernáculo do Senhor? Sabes que Deus habita no teu corpo e que teus membros são membros de Cristo? É no teu corpo que tu podes dar glória a Deus e fazê-lo habitar no mundo, entre os humanos!”. Uma admoestação que dá vertigem.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Jesus, lugar do encontro definitivo com Deus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV