Saber vigiar

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Aumento da miséria extrema, informalidade e desigualdade marcam os dois anos da Reforma Trabalhista

    LER MAIS
  • Um novo documento anti-Francisco com cem assinaturas: “Atos sacrílegos durante o Sínodo, precisa se arrepender”

    LER MAIS
  • Hospitalidade eucarística: “A decisão passa agora para a Conferência Episcopal”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Novembro 2016

“Acreditamos num Deus que está presente na nossa história e nela se revela. Não temos que esperar grandes sinais, nem acontecimentos sobrenaturais, somos convidados a deixar-nos surpreender pela sua novidade que desabrocha no meio de nós”.

O comentário do Evangelho, que corresponde ao Primeiro Domingo do Tempo de Advento (27-11-2016), é elaborado por Maria Cristina Giani, Missionária de Cristo Ressuscitado.

Evangelho de Mateus MATEUS 24,37-44

A vinda do Filho do Homem será como no tempo de Noé. Porque, nos dias antes do dilúvio todos comiam e bebiam, casavam-se e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca. E eles nada perceberam, até que veio o dilúvio, e arrastou a todos. Assim acontecerá também na vinda do Filho do Homem. Dois homens estarão trabalhando no campo: um será levado, e o outro será deixado. Duas mulheres estarão moendo no moinho: uma será levada, a outra será deixada. Portanto, fiquem vigiando! Porque vocês não sabem em que dia virá o Senhor de vocês. Compreendam bem isto: se o dono da casa soubesse a que horas viria o ladrão, certamente ficaria vigiando, e não deixaria que a sua casa fosse arrombada. Por isso, também vocês estejam preparados. Porque o Filho do Homem virá na hora em que vocês menos esperarem.

Eis o comentário

Este domingo iniciamos o ano litúrgico com o tempo de Advento. Dessa forma a Igreja nos abre as portas de um novo ano com a frescura renovadora da esperança que traz a vida nova de Deus, que vem, que veio e que virá.

No evangelho de hoje a exortação principal de Jesus é a vigilância! A pergunta é que tipo de vigilância, ou o que temos que vigiar?

Para achar a resposta voltemos ao texto proposto. Ele nos remete ao tempo de Noé, no qual Deus se manifestou na cotidianidade desse povo: “nos dias antes do dilúvio todos comiam e bebiam, casavam-se e davam-se em casamento até o dia em que Noé entrou na arca”.

Acreditamos num Deus que está presente na nossa história e nela se revela. Não temos que esperar grandes sinais, nem acontecimentos sobrenaturais, somos convidados a deixar-nos surpreender pela sua novidade que desabrocha no meio de nós.

Então o que temos que vigiar é que não nos passe despercebida a vida que já está correndo pelas nossas veias, relações, famílias, comunidades, cidades e que tem a força de nos recriar desde dentro.

Por isso vigiar é perceber dentro de nós que gritos carregamos, que feridas temos ainda abertas, que perdão precisamos pedir ou oferecer, para assim permitir que Deus se faça mais presente e seja um novo presente para cada um/a.

Mas a proposta que Jesus faz é que alarguemos nosso coração ao mundo todo, e que em nós também ecoem “as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos aqueles que sofrem” (GS 1).

Para nessas situações sermos capazes de pedir e esperar sua nova visita, pode nos ajudar nos perguntarmos: Que sinais de possibilidade de algo novo descobrimos nessas situações?

Tempo de advento, tempo de alegre vigilância na certeza de que “Cada dia da nossa caminhada é marcado pela presença de Deus, que guia os nossos passos com a força da graça que o Espírito infunde no coração para o plasmar e torná-lo capaz de amar” e por isso que “ninguém possa pensar que é alheio à proximidade de Deus e à força da sua ternura” (Misericórdia e Paz).


Rezemos esta poesia pedindo a Jesus que nos ensine a “vigiar” sua Presença.

Futuro tão presente

Já não perguntarei mais,
quando chegará teu dia
mas sim por onde atravessas o presente,
por que existe o malvado
mas sim de que maneira o salvas agora,
quando se curará minha ferida
mas sim como a curas neste instante,
quando acabarão as guerras,
mas sim onde constróis a justiça,
quando seremos numerosas
mas sim onde está hoje a gruta de Belém,
quando acabará a opressão
mas sim como passar pelas brechas do sistema,
quando te revelarás,
mas sim onde te escondes.
Porque teu futuro é agora,
é este instante universal
onde todo o criado dá um passo
dentro de teu mistério partilhado.

Benjamin Gonzalez Buelta

Para aprofundar a reflexão

A Senhor Vem!

Com os olhos abertos

A Senhor Vem!

Advento: modo criativo de esperar


Acesse outros Comentários do Evangelho: clique aqui

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Saber vigiar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV