Os pequenos nos ensinam

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Do samba ao funk, o Brasil que reprime manifestações culturais de origem negra e periférica

    LER MAIS
  • ASA 20 Anos: Água potável é vida e bênção para a infância do Semiárido

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Outubro 2016

“Acreditar num Deus que faz justiça aos pobres ao qual invocamos na nossa oração nos compromete a cada um/a de nós no trabalho pela sua justiça”.

O comentário do Evangelho correspondente ao 29° Domingo do Tempo Comum (16-10-2016) é elaborado por Maria Cristina Giani, Missionária de Cristo Ressuscitado.

Evangelho de Lucas 18, 1-8

Jesus contou aos discípulos uma parábola, para mostrar-lhes a necessidade de rezar sempre, sem nunca desistir. Ele dizia: «Numa cidade havia um juiz que não temia a Deus, e não respeitava homem algum. Na mesma cidade havia uma viúva, que ia à procura do juiz, pedindo: ‘Faça-me justiça contra o meu adversário!’ Durante muito tempo, o juiz se recusou. Por fim ele pensou: ‘Eu não temo a Deus, e não respeito homem algum; mas essa viúva já está me aborrecendo. Vou fazer-lhe justiça, para que ela não fique me incomodando’.» E o Senhor acrescentou: «Escutem o que está dizendo esse juiz injusto. E Deus não faria justiça aos seus escolhidos, que dia e noite gritam por ele? Será que vai fazê-los esperar? Eu lhes declaro que Deus fará justiça para eles, e bem depressa. Mas, o Filho do Homem, quando vier, será que vai encontrar a fé sobre a terra?».

Eis o comentário.

Através do evangelho de Lucas, continuamos conhecendo a Jesus como mestre de oração. Uma vez mais o evangelista o apresenta ensinando aos seus discípulos/as a rezar, e esta vez a rezar com uma característica especial: “sem nunca desistir”.

Para explicar o sentido desta característica, Jesus se vale novamente de uma parábola que tem como personagem central uma viúva.

Sabemos que na época de Jesus as viúvas eram mulheres consideradas sozinhas e desamparadas. Ao que parece, esta viúva do evangelho não tem ninguém que cuida dela, nem filhos nem familiares. Tem que se valer por si mesma e por isso não cansa de pedir que se faça justiça.

Ela simboliza o grito de tantos homens e mulheres que até o dia de hoje continuam clamando, às vezes até sem voz, por justiça.

Pensemos, que situações ao nosso redor pedem justiça? Somos capazes de escutar esse clamor?

Jesus sabe que seu Pai sempre escuta o clamor de seus filhos e filhas, especialmente dos mais pequenos e desvalidos. O Antigo Testamento nos revela algo desse rosto de Deus, quando ele sai ao encontro do clamor de Agar que fugiu ao deserto pelos maus-tratos que sofria injustamente (Gn 16,6-11).

Por isso a imagem do juiz mesquinho que aparece na parábola é a antítese exagerada de Deus. Mas Jesus quer valer-se desse exagero para que fique bem claro aos seus ouvintes que, se uma pessoa com as características desse homem, “Eu não temo a Deus, e não respeito homem algum”, é capaz de atender o pedido de justiça dessa viúva, quanto mais Deus atenderá o clamor de seus filhos/as.

Em mais de uma oportunidade tenho encontrado a fé desta viúva do evangelho em mulheres humildes do bairro onde trabalho, que diante das difíceis situações que vivem: falta de emprego, perda de filhos pela violência das drogas, falta de atenção básica de saúde, têm dito para mim com paz: “Deus é Pai, Deus fará justiça!”

Suas vidas têm sido palavra de Deus para mim, e, como a parábola de hoje, as reconheço como convites permanentes a crescer na confiança em Deus, e a saber transformar o sofrimento em lágrimas de oração, que Deus acolhe com infinito carinho e responde com ternura.

Acreditar num Deus que faz justiça aos pobres ao qual invocamos na nossa oração nos compromete a cada um/a de nós no trabalho pela sua justiça. Desafia-nos a ser capazes de nos colocar do lado do que sofre e desde ali colaborar com nossa inteligência, amor, profissão, com toda nossa vida para que sua realidade seja diferente, na confiança que esta causa é Deus e é dele a última palavra!

À pergunta de Jesus: “Mas, Filho do Homem, quando vier, será que vai encontrar a fé sobre a terra?”, somos convidados/as a responder com nossa vida de oração e compromisso com a justiça do Reino de Deus.

Ou seja, responderemos à pergunta de Jesus vivendo as bem-aventuranças do Reino: “Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados” (Mt 5,5-6).

Deus de toda vida

Deus de toda vida,
único Senhor da terra,
Pai-Mãe da família humana!
Tu nos queres vivendo em irmandade,
sem medo, sem egoísmo, sem corrupção,
na justiça, na solidariedade e no amor.
Teu é o Reino e a glória para todo o sempre.
Amém.

Pedro Casaldáliga

Para aprofundar a reflexão:

Uma fé que protesta

O clamor dos que sofrem

O Reino de Deus e sua justiça

Rezar sempre e nunca desistir

Acesse outros comentários: clique aqui.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os pequenos nos ensinam - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV