Quinta-Feira Santa: A Última Ceia

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Março 2013

“Também vós deveis lavar-vos os pés uns aos outros”. Evitemos, também quanto a isto, neutralizar o significado do gesto e das palavras de Cristo, limitando-nos à celebração de um rito, tornado estéril, se não for símbolo das ações do nosso dia. Vivamos não apenas ritual, mas efetivamente uma Aliança realmente nova!

A reflexão é de Marcel Domergue, sacerdote jesuíta francês, publicada no sítio Croire, comentando as leituras da Quinta-Feira Santa. A tradução é de Francisco O. Lara, João Bosco Lara e José J. Lara.

Eis o texto.

Referências bíblicas:
1ª leitura:
Ex 12,1-8.11-1
Salmo: Sl 115
2ª leitura: 1Cor 11,23-26
Evangelho: Jo 1,1-15


O ato de “entregar”

Jesus não fica à espera de que os homens venham privá-lo do que é seu: da sua liberdade, da sua honra, da sua integridade física e, por fim, da sua vida. Surpreendendo a todos, ele entrega antecipadamente o que lhe vão tirar. Judas sairá à noite para entregá-lo. Mas, antes que o faça, Jesus se entrega a si próprio: “Tomai e comei! Isto é meu corpo. Tomai e bebei! Isto é meu sangue”. E age da mesma forma para com todos os protagonistas de sua Paixão: os sumos sacerdotes irão entregá-lo a Pilatos para que o crucifique. Pilatos o entrega de volta, para que o crucifiquem. E, finalmente, o entregarão à morte. O verbo “entregar” é utilizado por todos os evangelistas (por Mateus, sobretudo) em relação a todos os que, no relato, tomam alguma decisão, sem saber, contudo, que estão cumprindo ou consumando as Escrituras e que Jesus se antecipou a todos eles na Última Ceia: “ninguém me tira a vida, pois sou eu quem a dou” (Jo 10,18).  A última Ceia fornece, assim, a chave de toda a paixão e ficamos cientes de que a vida, uma vez dada, transforma-se em alimento do ser humano. E até mesmo que, segundo S. Irineu, o pão comum, provindo da criação, já era o corpo de Cristo. Deus já se entregava a nós no pão de nossas mesas.           

Senhor que serve

A insistência de Paulo no “fazei isto em memória de mim” poderia levar-nos a uma excessiva ritualização da vida cristã: bastaria, para sermos fiéis a Cristo, refazer os gestos da última Ceia, repetir as palavras pronunciadas por Jesus. É uma prática, de certo, salutar, por permitir-nos atualizar o evento, tornando-nos contemporâneos dele. Hoje, como sempre, temos necessidade de receber a vida que Deus nos concede. Refazer, no entanto, o que fez Cristo não consiste primeiramente em copiar seus gestos, mas em reproduzir em nós “as atitudes que foram as de Cristo Jesus(Fl 2,5) o qual “deu sua vida por nós para que, também nós, demos a vida por nossos irmãos” (1Jo 3,16). A verdadeira forma de “fazer memória” de Cristo é, portanto, amar. Eis porque, no evangelho segundo S. João, onde esperaríamos encontrar os gestos e as palavras pronunciadas sobre o pão e o vinho, vemos Jesus de joelhos ante os discípulos, a lavar-lhes os pés. Este gesto simbólico tem o mesmo significado do dom do pão e do vinho: se Deus, a quem chamamos Mestre e Senhor, se faz nosso servo, com maior razão, devemos pôr-nos, também nós, a serviço dos nossos irmãos. 

Tudo ao contrário!

Tudo isso, é claro, significa a Paixão que, a seguir, acontecerá e que, de fato, já começou. Assistimos aqui à reversão de todas as nossas habituais categorias, de todas as nossas maneiras usuais de pensar. Salientamos acima que a onipotência se transformava em fraqueza. Vemos, agora, o Senhor que se faz servo. Tudo se passa ao contrário. O justo ocupa o lugar do injusto, do culpado, e o juiz substitui o condenado. Até mesmo as realidades naturais são subvertidas: o pão e o vinho, frutos da criação, tornam-se presença e vida do Criador. E, finalmente, como derradeira e grandiosa mutação, a morte se transforma em vida. De fato, a vida, quando a entregamos em prol dos outros, nós não a perdemos. Bem ao contrário, nós a engrandecemos. Já o dissera Jesus: “Quem perder a sua vida, salva-la-á”. O grão de trigo tem de apodrecer na terra, perder a sua condição de grão, para dar fruto. Um fruto que lhe confere a imortalidade! Jesus nos dá a senha de como refazer o que Ele fez: “Também vós deveis lavar-vos os pés uns aos outros”. Evitemos, também quanto a isto, neutralizar o significado do gesto e das palavras de Cristo, limitando-nos à celebração de um rito, tornado estéril, se não for símbolo das ações do nosso dia. Vivamos não apenas ritual, mas efetivamente, uma Aliança realmente nova!

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Quinta-Feira Santa: A Última Ceia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV