"Até hoje não existe uma clara ideia do que é tecnologia limpa". Entrevista especial com José Marengo.

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Dezembro 2009

Para o professor José Marengo, países ricos, pobres e em desenvolvimento devem ter metas diferenciadas em relação às emissões de gases de efeito estufa. Embora diferenciadas, as metas devem ser obrigatórias, segundo ele. “Mas, em troca, deverão receber recursos de algum fundo de adaptação para enfrentar o problema de mudanças climáticas e reduzir os impactos e vulnerabilidade”, opinou. Na entrevista que concedeu, por e-mail, à IHU On-Line, Marengo falou sobre as metas de redução de emissão de gases dos Estados Unidos e China – os maiores produtores na atualidade – e do Brasil. Além disso, analisou questões que serão abordadas na conferência que acontece neste mês, em Copenhague. “REDD é uma boa opção, mas tem que ser analisada e regulamentada, pois ainda não está claro como será aplicada em cada realidade. Há variações da REDD, REDD Plus etc., e tudo isso vai ser discutido na COP 15”, explicou.

Graduado em física e meteorologia pela Universidad Nacional Agraria (Nicarágua), José Marengo é mestre em engenharia de Recursos da Água e da Terra pela mesma instituição, e doutor em meteorologia pela University of Wisconsin (EUA). Recebeu o título de pós-doutor pela NASA-Goddard Institute for Space Studies e Florida State University (EUA). Atualmente, é pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Escreveu os livros Mudanças climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidade - Caracterização do clima atual e definição das alterações climáticas para o território brasileiro ao longo do Século XXI (Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2007) e The Large Scale Atmopshere Biosphere Experiment In Amazonia (Lba), Concise Experimental Plan. (SC-DLO, Wagenigen, The Netherl: Staring Centre-DLO, 1996)

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Até o momento, a decisão do presidente Obama é de reduzir 17% das emissões americanas de gases de efeito estufa até 2020. O presidente da China anunciou meta de redução de 40% a 45% até a mesma data. Qual sua opinião sobre essas metas?

José Marengo – Ora, é melhor que nada, não podemos esperar promessas de cortes altos demais, e que depois os países possam se arrepender e não cumprir.  A meta dos Estados Unidos é muito baixa, mas é melhor que uma ausência de metas.

IHU On-Line - Um dos pontos em discussão em Copenhague é o mecanismo para a transferência de tecnologias limpas. Esse debate em Copenhague vai para frente?

José Marengo – Pode ser que sim, mas isso entra na categoria de mitigação e adaptação. Porém, até hoje não ficou claro quais são os mecanismos de financiamento para estas tecnologias. Até hoje não existe uma clara ideia do que é tecnologia limpa, e quão limpa será a matriz hidroenergética comparada com a de termoelétrica a gás, por exemplo.

IHU On-Line - Entre estas soluções, podemos citar o reflorestamento e a preservação. O REDD (Redução de Emissões para o Desmatamento e Degradação) é visto como uma alternativa importante neste sentido. Esta medida pode ser considerada satisfatória?

José Marengo – REDD é uma boa opção, mas tem que ser analisada e regulamentada, pois ainda não está claro como será aplicada em cada realidade. Há variações da REDD, REDD Plus etc., e tudo isso vai ser discutido na COP 15. Preservação é a melhor opção, e reflorestamento funcionaria só se fosse feito com espécies nativas como as que foram cortadas.

Corta-se floresta tropical e substitui-se por eucalipto, isso não é reflorestamento, é simplesmente uma plantação florestal. O clima atual da Amazônia funciona com a vegetação atual da floresta tropical, e, se toda a floresta é substituída por eucalipto, por exemplo, o clima vai mudar, pois a floresta tropical funciona de uma forma muito peculiar.   

IHU On-Line – Quais os principais desafios que precisam de um retorno urgente durante a conferência de Copenhague?

José Marengo – Listo:
- Mecanismos de mitigação (metas de emissões, tanto das atividades derivadas de queima de combustível fóssil quanto do desmatamento);
- Mecanismos de adaptação e criação do fundo de adaptação;
- Metas considerando responsabilidades históricas nas emissões de gases de efeito estufa;
- REDD e regulamentação deste mecanismo, e as suas variações para vários países;
- Metas de redução de desmatamento;
- Criação do fundo de adaptação mundial.

IHU On-Line – As metas brasileiras de redução, de 36,1% e 38,9% até 2020, são satisfatórias?

José Marengo – Sim, são satisfatórias e representam uma grande contribuição do Brasil nos debates e metas da COP 15.

IHU On-Line – Os pólos norte e sul já sentem os grandes impactos das mudanças climáticas. O que o senhor acha da proposta da Universidade do Arizona, de colocar espaçonaves cobertas com material reflexivo entre o Sol e a Terra?

José Marengo – Isso é especulação! Estas propostas são caras demais e quase não são fatíveis de construir ou de garantir resultados satisfatórios. O problema não é a energia que chega do sol, mas sim aquela parte que fica na baixa atmosfera “presa” pela camada de gases de efeito estufa, e a solução seria não engrossar esta camada, reduzindo as emissões o máximo possível.

IHU On-Line – Países pobres, em desenvolvimento e ricos devem ter metas de redução de emissões diferentes?

José Marengo – Devem ter metas diferenciadas sim, talvez obrigatórias, mas, em troca, deverão receber recursos de algum fundo de adaptação para enfrentar o problema de mudanças climáticas e reduzir os impactos e vulnerabilidade.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Até hoje não existe uma clara ideia do que é tecnologia limpa". Entrevista especial com José Marengo. - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV