O Papa: caso seja necessário, os bens da Igreja podem ser vendidos para ajudar os pobres

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Mais de 50 mil assinaturas exigem proteção para o Padre Júlio Lancellotti

    LER MAIS
  • Massacragem dos Chiquitanos vai à ONU. Artigo de Aloir Pacini

    LER MAIS
  • Um confinamento frutífero: em que o papa Francisco trabalhou durante a pandemia?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Novembro 2018

A Igreja não deveria acolher “com ansiedade” o fato de que “muitas igrejas, até poucos anos atrás necessárias, mas hoje não mais, seja por falta de fiéis e de clero, seja por uma distribuição diferente da população nas cidades e áreas rurais”. Devemos, pelo contrário, aceitar esta mudança “como um sinal dos tempos que nos convida a uma reflexão e nos impõe uma adaptação”. A afirmação foi feita pelo Papa Francisco em uma mensagem aos participantes do Congresso Deus não habita mais aqui? Desativação de locais de culto e gestão integrada de bens culturais eclesiásticos” (que acontece entre os dias 29 e 30 de novembro). O Papa Francisco disse que “a desativação não deve ser a primeira e a única solução em que se deve pensar”, e não deve ser realizada “com o escândalo dos fiéis”, mas recordando o “ensino perene da Igreja que, apesar de inocular o dever de proteger e preservar os bens da Igreja, especialmente os bens culturais, declara que eles não têm um valor absoluto”, motivo pelo qual, “caso seja necessário, devem servir para o bem maior do ser humano e, especialmente, estar a serviço dos pobres”.

A reportagem é de Iacopo Scaramuzzi, publicada por Vatican Insider, 29-11-2018. A tradução é de André Langer.

“Seguindo o pensamento do magistério da Igreja”, é quase possível elaborar “um discurso teológico sobre os bens culturais, considerando que fazem parte da sagrada liturgia, da evangelização e do exercício da caridade”, escreveu o Papa na mensagem lida pelo cardeal Gianfranco Ravasi durante a abertura do congresso organizado pelo Pontifício Conselho para a Cultura, em colaboração com a Conferência Episcopal da Itália e com a Pontifícia Universidade Gregoriana.

O “sentido comum dos fiéis”, em primeiro lugar, “percebe para os ambientes e os objetos destinados ao culto a permanência de uma espécie de marca que não se esgota nem mesmo depois que tenham perdido tal destino”, recordou o Papa. Além disso, “os bens culturais eclesiásticos são testemunhos da fé da comunidade que os produziu ao longo dos séculos e por isso são, à sua maneira, instrumentos de evangelização que se somam aos instrumentos ordinários do anúncio, da pregação e da catequese”, com uma “eloquência original” que “pode ser preservada mesmo quando não são mais usados na vida ordinária do povo de Deus, em particular através de uma exposição” em um museu, “que não os considere apenas documentos da história da arte, mas que volte a lhes dar quase uma nova vida, para que possam continuar desempenhando uma missão eclesial”.

Os bens culturais também estão relacionados “às atividades caritativas desempenhadas pela comunidade eclesial”, explicou Papa. Na sequência, recordou a iconografia tradicional que representa o mártir romano Lorenzo no ato de vender os preciosos móveis do culto para distribuir os recursos angariados entre os pobres: “Isto constitui um ensino eclesial perene que, apesar de inocular o dever de proteger e preservar o patrimônio da Igreja, especialmente os bens culturais, declara que eles não têm valor absoluto”, motivo pelo qual, “caso seja necessário, devem servir para o bem maior do ser humano e, especialmente, estar a serviço dos pobres”.

Francisco lembrou que muitas igrejas, até poucos anos atrás, eram necessárias e “agora não mais”, e isso se deve à “falta de fiéis e do clero, ou a uma distribuição diferente da população nas cidades e nas áreas rurais”. Isso deve ser aceito na Igreja “não com ansiedade”, disse ele, “mas como um sinal dos tempos que nos convida a refletir e nos obriga a nos adaptar”.

Esta reflexão, recordou o Papa, já foi realizada por alguns episcopados. Por isso, o congresso que se realiza em Roma oferecerá “sugestões e indicará linhas de ação, mas as decisões concretas e finais cabem aos bispos. A eles eu recomendo vivamente que cada decisão seja fruto de uma reflexão conjunta, conduzida na comunidade cristã e em diálogo com a comunidade civil”.

A desativação de um imóvel, por exemplo, usado anteriormente para o culto, caso seja necessária, “deveria ser inserida na ordinária programação pastoral, precedida por uma adequada informação e ser a mais compartilhada possível”, escreveu Francisco. No final, o documento explica que a construção de uma igreja ou seu novo destino “não são operações a serem tratadas sob o aspecto técnico ou econômico, mas devem ser avaliadas de acordo com o espírito da profecia: através dele, de fato, passa o testemunho da fé da Igreja, que acolhe e valoriza a presença do seu Senhor na história”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa: caso seja necessário, os bens da Igreja podem ser vendidos para ajudar os pobres - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV