Aquecimento Global: Estresse térmico reduzirá a produtividade no trabalho

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Assim o 1% se prepara para o apocalipse climático

    LER MAIS
  • Bispos latino-americanos levantam a voz pela Amazônia

    LER MAIS
  • O holocausto da Amazônia põe a civilização em alerta. Artigo de Marina Silva

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Outubro 2018

 O estresse térmico afeta a saúde dos trabalhadores e reduz a produtividade do trabalho, alterando o ambiente de trabalho ambiental, levando a perdas econômicas.

A reportagem é publicada por Institute of Atmospheric Physics, Chinese Academy of Sciences e reproduzida por EcoDebate, 29-10-18. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

Quantificar o impacto do estresse térmico na produtividade do trabalho continua sendo um problema para a pesquisa científica e a formulação de políticas.

Nos últimos anos, pesquisas baseadas em estudos de ciências sociais foram bem aplicadas para quantificar o impacto do estresse térmico na capacidade de trabalho. No entanto, os inquéritos anteriores foram principalmente para países desenvolvidos. O número de amostras era geralmente muito pequeno (centenas ou até dezenas) e não era adequado para identificar as diferenças regionais em todo o mundo. O padrão mundial de perda de produtividade relacionada ao calor (WPL) permaneceu incerto.

Recentemente, YU Shuang, XIA Jiangjiang e YAN Zhongwei do Instituto de Física Atmosférica da Academia Chinesa de Ciências, juntamente com colegas da China e do Reino Unido, sintetizaram 4363 respostas a uma pesquisa global online em 2016, a mais ampla pesquisa global sobre o efeito de estresse térmico na WPL atualmente disponível, a fim de quantificar os efeitos do estresse térmico na produtividade do trabalho em diferentes países para o ano.

Os resultados da pesquisa mostram que o WPL relacionado ao calor no ano foi de 6,6 dias para os países em desenvolvimento e de 3,5 dias para os países desenvolvidos. O WPL relacionado ao calor tem correlação negativa significativa com o PIB per capita (cc = -0,63), indicando que o WPL é inversamente proporcional ao nível de desenvolvimento. Eles identificaram as regiões de vulnerabilidade a ondas de calor que poderiam ter sido negligenciadas no passado, especialmente as regiões do Cinturão Econômico da Rota da Seda, como a Ásia Central e o norte da Europa, devido à adaptabilidade relativamente baixa ao calor. A onda de calor é um dos mais graves desastres meteorológicos em termos de perdas econômicas na região do Cinturão e da Estrada.

Um padrão mundial de perda de produtividade relacionada ao calor (em dias) para 2016, com base em uma pesquisa on-line com 4043 amostras válidas. (Imagem de YU Shuang). Fonte: EcoDebate

 

Eles ainda estimaram o WPL para o futuro nos cenários de Representative Concentration Pathways (RCPs) (trajetória de concentração de gases de efeito estufa adotada pelo IPCC e visa representar as diferentes mudanças de concentração atmosférica e os futuros climáticos). Quando o aquecimento global atinge 1,5, 2, 3 e 4 ° C, respectivamente, a média de WPL será 9 (19), 12 (31), 22 (61) e 33 (94) dias para países desenvolvidos (em desenvolvimento). Países do Sudeste Asiático em um mundo de aquecimento a 1,5 ° C sofreriam a mesma perda que os países desenvolvidos teriam em um mundo aquecido a 4 ° C. Isso mostra, quantitativamente, a grave situação que os países em desenvolvimento enfrentariam sob o aquecimento global.

“As ondas de calor certamente impactam mais seriamente os países em desenvolvimento em geral, mas nosso estudo estimou quantitativamente quanta onda de calor reduziria a produtividade e identificaria as regiões mais vulneráveis do mundo”. YU Shuang disse: “Nossos resultados chamam a atenção para a necessidade de adaptação ao aumento das ondas de calor, melhorando a infra-estrutura de proteção, especialmente para as regiões em desenvolvimento”

Referência:

Loss of work productivity in a warming world: Differences between developed and developing countries Yu Shuang et al Journal of Cleaner Production Volume 208, 20 January 2019, Pages 1219-1225 https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2018.10.067

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aquecimento Global: Estresse térmico reduzirá a produtividade no trabalho - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV