Os países mais religiosos são os mais pobres e os menos religiosos os mais ricos

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • O novo rosto do clero: perfil dos “padres novos” no Brasil

    LER MAIS
  • Por que Bolsonaro ainda não caiu

    LER MAIS
  • Papa deve enviar Greta Thunberg para a COP26 em seu lugar

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Outubro 2018

"Religião e Economia – O século passado foi um século de uma potência religiosa (EUA) e o século atual será o século dominado por um país ateu (China)" escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 24-10-2018.

Eis o artigo. 

Rezar diariamente não faz bem para a economia! Fé demais parece que é um empecilho ao desenvolvimento econômico, ao bem-estar e à qualidade de vida.

Isto é uma conclusão que se pode tirar do gráfico acima, apresentado pela pesquisa “Americans are far more religious than adults in other wealthy nations”, do Instituto PEW (31/07/2018). Em todos os países que possuem renda per capita superior a US$ 30 mil (em poder de paridade de compra – ppp) há menos de 50% da população rezando diariamente. E, em todos os países onde mais de 50% da população reza diariamente, a renda per capita é menor do que US$ 30 mil, com exceção dos EUA.

Os EUA permanecem sendo um país fortemente religioso e o mais devoto entre todas as ricas democracias ocidentais. Como se diz, os EUA são um ponto fora da curva. Uma exceção que confirma a regra. Por exemplo, mais da metade dos adultos americanos (55%) diz rezar diariamente, em comparação com 25% no Canadá, 18% na Austrália e 6% na Grã-Bretanha. Na verdade, quando se trata de seus hábitos de oração, os americanos se parecem mais com pessoas em muitos países pobres, incluindo África do Sul (52%), Bangladesh (57%) e Bolívia (56).

A China é o destaque contrário, pois é o país menos religioso de toda a comunidade internacional. Os chineses são o povo que menos reza e são o país com maior taxa de crescimento econômico dos últimos 40 anos. A China atualmente é um país de renda média e predominantemente ateu. No futuro será um país rico e ateu.

Estados Unidos e China são as duas potências econômicas que lutam pela hegemonia e a predominância no processo de globalização e de influência internacional. Vários autores consideram que assim como o século XX pode ser classificado como “século americano”, o século XXI será redefinido como “século chinês”.

Pelo gráfico acima, podemos dizer que o século passado foi um século de uma potência religiosa e o século atual será o século dominado por um país ateu (e que não respeita o Estado laico). Se isto se tornar realidade, será a primeira vez na história que uma nação não religiosa assumirá a liderança econômica, científica e tecnológica dos destinos da humanidade.

Referência:

DALIA FAHMY. Americans are far more religious than adults in other wealthy nations, PEW, JULY 31, 2018

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os países mais religiosos são os mais pobres e os menos religiosos os mais ricos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV