Bispo de Hong Kong apoia o acordo com a China, mas reivindica que Pequim liberte clérigos encarcerados

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Igreja existe para todos, não apenas para aqueles que têm fé”. Entrevista com Tomáš Halík

    LER MAIS
  • Para onde vamos? Artigo de Valério Arcary

    LER MAIS
  • Torcidas antifascistas assumem linha de frente da mobilização contra Bolsonaro e atraem oposição

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Outubro 2018

“Eu disse... Santo Padre, avance, não tenha medo, mas seja cauteloso”. Assim recorda o bispo Michael Yeung, de Hong Kong, a conversa que teve com o Papa Francisco, animando o Pontífice a continuar buscando um acordo com Pequim. Acordo que finalmente chegou em fins de setembro, e para o qual Yeung deu seu total apoio, embora considere que há detalhes que será necessário monitorar muito de perto.

A reportagem é de Cameron Doody, publicada por Religión Digital, 05-10-2018. A tradução é do Cepat.

“É como cruzar um rio que você nunca cruzou antes. É necessário olhar a profundidade da água, é preciso tocar as pedras”, opinou Yeung em uma entrevista à Reuters, a propósito deste novo acordo entre o Vaticano e a China. O novo pacto coloca fim a décadas de divisão entre os 12 milhões de católicos do país – separados em igrejas “clandestina” e “patriótica” – ao prever um novo mecanismo de nomeações de bispos acordados entre Pequim e Roma.

“Não acredito que a assinatura deste acordo provisório signifique a solução para tudo. É necessário tempo, será preciso alguns anos para verificar”, continuou o bispo de Hong Kong. Yeung acrescentou que “um acordo provisório não poderia parar a opressão” dos católicos chineses por parte do regime comunista, nem tampouco “evitar que as igrejas sejam derrubadas” ou que “os jovens sejam proibidos de ir à missa”. “Estas coisas precisarão de tempo para se resolver”, observou o religioso, nativo de Xangai.

Com estas declarações otimistas, mas ao mesmo tempo realistas, o bispo Yeung marcou certa distância do cardeal Joseph Zen, que rotulou o novo acordo como “traição” aos católicos chineses fiéis a Roma. Apesar de seu otimismo, Yeung reconhece não estar a par dos detalhes do pacto, e pede que daqui adiante o Vaticano vele por duas coisas em particular: os clérigos “clandestinos” encarcerados por Pequim e a liberdade religiosa.

Um dos clérigos que Yeung pediu para Pequim liberte é o que foi bispo de Baoding, James Su Zhimin, de quem não se sabe nada desde que foi preso em 1997, e que hoje, se continuasse vivo, teria 87 anos. “Se está na prisão, se está recluso em outro lugar secreto ou se morreu, ninguém realmente sabe”, lamentou Yeung.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bispo de Hong Kong apoia o acordo com a China, mas reivindica que Pequim liberte clérigos encarcerados - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV