Marielle, Bolsonaro e a importância do repúdio à violência na política

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos A. Gadea

    LER MAIS
  • Vozes que desafiam. Dorothy Stang, profetiza e mártir da Amazônia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Outubro 2018

Menos de um mês após facada em presidenciável, candidatos de seu partido rasgam homenagem à vereadora assassinada em março.

Menos de um mês após a facada quase fatal sofrida por Jair Bolsonaro, candidatos de seu partido, o PSL, agrediram a memória de outra liderança política vítima da violência desproporcional que assola o País.

A reportagem é de Miguel Martins, publicada por CartaCapital, 04-10-2018.

Candidatos a deputado do PSL destruíram uma placa em homenagem a Marielle (Foto: Reprodução/ Facebook)

Rasgaram uma homenagem à vereadora do PSOL Marielle Franco, assassinada em março deste ano, que ganhou de seus saudosos simpatizantes uma adesivo que simula uma placa com seu nome. O tributo foi estampado na Cinelândia, no Rio de Janeiro, em cima da chapa oficial do logradouro, a praça Floriano.

Após a repercussão, um dos responsáveis, Daniel Silveira, candidato à deputado federal pelo PSL, afirmou em seu perfil no Facebook que a foto foi retirada de contexto. "De certo que a morte da conhecida vereadora deve ser investigada e os autores punidos, no entanto, não deve servir de desculpas para depredação do patrimônio público".

Em um estado que vive uma intervenção federal na segurança pública capitaneada pelas Forças Armadas, certamente a suposta "depredação do patrimônio público" deveria ser alvo das autoridades, se tão grave fosse. Com a proximidade das eleições, de que serve partir ao meio uma saudade alheia sob o pretexto de exercer uma fiscalização que nem os militares ou policiais na cidade julgaram necessária?

Outro argumento do candidato a deputado é que Marielle é apenas um dos 60 mil mortos e vítimas da violência por ano no País. Pensaria o mesmo de Bolsonaro, se também tivesse engrossado a tenebrosa estatística? Como se sentiria se seu candidato fosse homenageado por ter resistido à facada e alguém da "esquerda" violasse um tributo ao seu presidenciável?

Não houve candidato à Presidência do campo progressista que não tenha repudiado a violência sofrida por Bolsonaro. Guilherme Boulos, do PSOL, Ciro Gomes, do PDT, e seu provável adversário no segundo turno, Fernando Haddad, do PT, condenaram prontamente o atentado. Não se escudaram na ideologia para descumprir seu dever enquanto homens públicos em uma democracia.

Não cabe relembrar todas as vezes que Bolsonaro prometeu combater violência com mais violência. O candidato sempre demonstrou pouco apreço pelas agressões sofridas por seu adversários. No caso de Marielle, ficou em silêncio. Sobre os tiros à caravana de Lula pela região Sul do País, sugeriu que foi obra de petistas.

Ao ser vítima da facada, o candidato bem poderia ter uma epifania. Enquanto muitos de seus críticos duvidavam da agressão com base em teorias conspiratórias, ele passou por cirurgias e teve momentos de instabilidade clínica. Para que duvidar da violência sofrida por um adversário? Não é melhor repudiá-la, antes de sugerir uma versão mirabolante e sem provas ou mesmo negar uma palavra de conforto para não incomodar seus apoiadores?

É estranho imaginar um presidente em silêncio sobre a morte de uma parlamentar, não importa de que legenda. Michel Temer é adversário político de Marielle, mas classificou seu assassinato ainda não esclarecido como uma "extrema covardia". É o mínimo que se espera de alguém que aspire ao mais alto posto da República.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Marielle, Bolsonaro e a importância do repúdio à violência na política - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV