Instituições católicas unidas no desinvestimento em combustíveis fósseis

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A mulher precisa, e as religiosas sobretudo, sair daquele papel de que ela é inferior”. Entrevista com a Ir. Maria Freire

    LER MAIS
  • Governo Bolsonaro deixa estragar 6,8 milhões de testes de covid-19

    LER MAIS
  • “Não seremos salvos pelo moralismo, mas pela caridade”. Artigo do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Setembro 2018

As instituições católicas do mundo todo estão firmando novos compromissos para deixar de investir em combustíveis fósseis.

Um grupo de 19 instituições, liderado pelo Caritas India e a Conferência dos Bispos Católicos da Irlanda, anunciou o corte de investimentos hoje. A lista completa de instituições que vão cortar investimentos está disponível aqui.

A informação é publicada por Independent Catholic New ICAN, 11-09-2018. A tradução é de Luísa Flores Somavilla.

O corte de investimentos da Caritas India é especialmente significativo no contexto das inundações de Kerala, geradas por um período de monções especialmente fortes. A mudança climática deve alterar os padrões da chuva em grande parte da Índia.

O bispo Lumen Monteiro, diretor da Caritas India, declarou que “a mudança climática teve um impacto negativo na vida e na subsistência de comunidades na Índia, principalmente entre os pobres e marginalizados. A frequência dos eventos climáticos extremos aumentou na última década, e o mais recente em Kerala tirou a vida de mais de 400 pessoas e desalojou mais de um milhão. Levará muito tempo para se recuperarem dessa tragédia. A missão da Caritas Índia é levar o amor e a compaixão do Evangelho às pessoas necessitadas, e para isso precisamos nos distanciar dos combustíveis fósseis, que nos causam tanto sofrimento”.

As instituições da Índia que vão cortar investimentos estão se unindo a outras no Paquistão e no Bangladesh, refletindo a unidade do subcontinente pela urgência de abordar a crise do clima. Instituições no Quênia e em Fiji, que estão na linha de frente a crise no sul global, também anunciaram cortes nos investimentos hoje.

A Conferência dos Bispos Católicos da Irlanda, que anunciou sua decisão no dia 24 de agosto, está prestando solidariedade ao compromisso conjunto dos grupos católicos do mundo todo. A da Irlanda é a segunda conferência no mundo a cortar investimentos publicamente, seguindo a Conferência dos Bispos Católicos da Bélgica.

Durante o anúncio, o bispo de Cloyne William Crean, diretor da agência católica de assistência humanitária Trócaire, disse que “para evitar mais mudanças climáticas e proteger nossa casa comum, é preciso uma mudança drástica de direção, como sugeriu o Papa Francisco em Laudato Si. Em particular, é preciso uma mudança drástica nas nossas políticas de energia e investimento, afastando-se de combustíveis fósseis altamente poluentes e movendo-se em direção a fontes de energia limpa e renovável.”

Os bancos católicos na Alemanha e na Áustria, duas arquidioceses italianas e instituições na Bélgica, no Canadá e nos Estados Unidos também representam o norte global.

Alguns grupos católicos estão anunciando cortes em investimentos em combustíveis fósseis no Global Climate Action Summit, um encontro internacional de atores não governamentais comprometidos com uma solução para a crise do clima. Mais de 900 instituições representando um total de mais de US$ 6 trilhões em ativos serão incluídas no anúncio.

As instituições católicas estão ganhando cada vez mais visibilidade nos movimentos mundiais de corte de investimentos em combustíveis fósseis, e as organizações religiosas representam mais de 25% dos compromissos registrados. Até agora, um total de 122 instituições católicas anunciaram compromissos para se distanciar dos combustíveis fósseis.

A comunidade católica, cada vez mais, considera a proteção ao meio ambiente um elemento essencial da fé. O anúncio veio durante a Temporada da Criação, uma celebração de um mês envolvendo oração e ações pelo meio ambiente compartilhada por cristãos do mundo todo. A primeira declaração conjunta de apoio à temporada inclui o cardeal do Vaticano Peter Turkson, o arcebispo de Canterbury, o Patriarca Ecumênico Bartholomew, entre outros. Centenas de apoiadores de base estão respondendo aos chamados à ação dos líderes e organizando evento na comunidade local.

Tomás Insua, diretor executivo do Movimento Católico Global pelo Clima, disse: “durante décadas, a Igreja nos chamou a agir a respeito da mudança climática. Agora, quando o nível do mar está subindo e as tempestades estão cada vez piores, os nossos irmãos e irmãs mais vulneráveis estão pedindo com urgência para que tomemos as decisões corajosas que vão protegê-los. As instituições que estão cortando investimentos em combustíveis fósseis hoje estão fazendo a sua parte para reduzir as emissões, e aplaudimos sua visão e sua liderança.”

O Movimento Católico Global pelo Clima é uma organização internacional de que fazem parte mais de 650 organizações e milhares de católicos, respondendo ao pedido do Papa Francisco de proteger nossa casa comum. Para mais informações, acesse aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituições católicas unidas no desinvestimento em combustíveis fósseis - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV