Quando Paulo VI recebeu no Vaticano, 48 anos atrás, três líderes de movimentos armados: Amílcar Cabral, Agostinho Neto e Marcelino dos Santos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Intervenção nos jesuítas: quando Bergoglio impediu Bertone

    LER MAIS
  • Papa Francisco pede que bispos ensinem os fiéis a discernir nas eleições, na política

    LER MAIS
  • Antonio Spadaro explica a teologia de Francisco ... e desmonta a religiosidade da extrema direita

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Julho 2018

Quando em 2015 circulou na imprensa a hipótese que imaginava possível um encontro de Papa Francisco, em Havana, com os líderes da guerrilha das FARC que negociavam na ilha caribenha a paz com o governo do presidente colombiano, Manuel Santos, algumas pessoas se lembraram da famosa e tão polêmica audiência de Paulo VI com três líderes africanos que dirigiam as lutas armadas de libertação contra Portugal.

O gesto do Papa Paulo VI teve um enorme clamor midiático e não faltaram também diversos protestos diplomáticos. Em 1º de julho de 1970, de fato, no final da "Conferência Internacional de Solidariedade com os Povos das colônias portuguesas", realizada em Roma, o Papa Paulo VI recebeu no Vaticano os três principais líderes que naqueles anos lideravam os movimentos armados contra Lisboa, nas então colônias portuguesas. Eram: Amílcar Cabral, Agostinho Neto e Marcelino dos Santos.

A informação é publicada por Il Sismografo, 01-07-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Agostinho Neto, liderava o MPLA (Movimento Popular para a Libertação de Angola), Marcelino dos Santos a FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique) e Amílcar Cabral era o Secretário-Geral do PAIGC (Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde).

Aliás, hoje, em Roma, na Rádio Vaticano, o Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, irá presidir um encontro que vai recordar essa Audiência papal.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Quando Paulo VI recebeu no Vaticano, 48 anos atrás, três líderes de movimentos armados: Amílcar Cabral, Agostinho Neto e Marcelino dos Santos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV