A transição acelerada para os veículos elétricos

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa aprovará padres casados na Amazônia, afirma teólogo

    LER MAIS
  • “A capacidade de constituição de novos horizontes da esquerda brasileira, hoje, é nula”. Entrevista com Vladimir Safatle

    LER MAIS
  • Depressão vertiginosa que o Brasil atravessa também é herança da esquerda, diz Le Monde

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Junho 2018

"O mais recente relatório de Monitoramento sobre o Progresso da Energia Limpa, da IEA, mostra que os veículos elétricos são uma das 4 tecnologias, de um total de 38, que estão no caminho correto para atingir as metas de sustentabilidade de longo prazo", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 25-06-2018.

Eis o artigo. 

O número de carros elétricos (híbridos e plug-in) em circulação nas ruas do mundo ultrapassou 3 milhões de unidades em 2017, um aumento de 54% em comparação com 2016, de acordo com a última edição do Panorama Global dos Carros Elétricos (Global EV Outlook 2018) da Agência Internacional de Energia.

(Foto: EcoDebate)

O gráfico acima mostra que o número de carros elétricos no mundo era de menos de 0,5 milhão em 2013, ultrapassou 1 milhão em 2015, chegou a 2 milhões em 2016 e ultrapassou 3 milhões em 2017. Portanto, somente em 2017 foram adicionados mais unidades do que todo o estoque mundial até 2015.

A China permaneceu de longe o maior mercado de carros elétricos do mundo, respondendo pela metade das unidades vendidas no ano passado: quase 580.000 carros elétricos, um aumento de 72% em relação ao ano anterior. Os Estados Unidos vieram em segundo lugar, com cerca de 280.000 carros vendidos em 2017, montante superior aos 160.000 em 2016.

Os países nórdicos continuam líderes em participação de mercado. Os carros elétricos foram responsáveis por 39% das vendas de carros novos na Noruega, que se tornou o país líder mundial em participação de mercado de veículos elétricos (EV). Na Islândia, as novas vendas de veículos elétricos foram 12% do total, enquanto a participação atingiu 6% na Suécia. A Alemanha e o Japão também registraram forte crescimento, com vendas mais que dobrando em ambos os países em relação aos níveis de 2016, conforme o gráfico abaixo.

 (Foto: EcoDebate)

Houve também crescimento das estações de carregamento dos carros elétricos. Em 2017, o número de carregadores privados em residências e locais de trabalho foi estimado em quase 3 milhões de unidades em todo o mundo. Além disso, globalmente, havia cerca de 430 mil carregadores acessíveis ao público, dos quais um quarto era de carregadores rápidos. Os carregadores rápidos são especialmente importantes em cidades densamente povoadas e desempenham um papel essencial na viabilidade dos carros elétricos, ao possibilitar viagens de longa distância.

O crescimento dos veículos elétricos não se limitou aos carros. Em 2016 havia 345 mil ônibus elétricos, subindo para 345 mil em 2017 e o a eletrificação de veículos de duas rodas atingiu 250 milhões unidades. A eletrificação desses meios de transporte foi impulsionada quase inteiramente pela China, que responde por mais de 99% do estoque de ônibus elétrico e de veículos de duas rodas, embora os registros na Europa e na Índia também estejam crescendo.

Nas projeções da Agência Internacional de Energia, considerando o cenário que leva em conta as políticas atuais e planejadas, o número de carros elétricos está projetado para atingir 125 milhões de unidades até 2030, conforme mostra o gráfico abaixo (New Policies Scenario). Mas para atingir as metas climáticas do Acordo de Paris e outras metas de sustentabilidade, como no cenário EV30@30, o número de carros elétricos em circulação deve chegar a 220 milhões em 2030.

O mais recente relatório de Monitoramento sobre o Progresso da Energia Limpa, da IEA, mostra que os veículos elétricos são uma das 4 tecnologias, de um total de 38, que estão no caminho correto para atingir as metas de sustentabilidade de longo prazo.

 (Foto: EcoDebate)

O rápido crescimento da frota de veículos elétricos tem sido ajudada pelo progresso feito nos últimos anos para melhorar o desempenho e reduzir os custos das baterias de íons de lítio. No entanto, maiores reduções de custo melhorias de desempenho das baterias são essenciais para a viabilidade da transformação da indústria de automóveis dos carros de motor a combustão interna para os carros elétricos. Isto poderia ser alcançado por uma combinação de produtos químicos melhorados, maior escala de produção, tamanhos das baterias e desenvolvimento de outros tipos de baterias além do íon de lítio, de acordo com o Panorama Global dos Carros Elétricos 2018, da IEA.

O relatório também alerta para os problemas de suprimento em relação aos principais elementos que compõem as baterias de íons de lítio, como níquel, lítio e cobalto. Por exemplo, o fornecimento de cobalto está particularmente sujeito a riscos, já que quase 60% da produção global de cobalto está concentrada na República Democrática do Congo e a capacidade de refinar e processar cobalto cru é totalmente concentrada, com a China controlando 90% da capacidade de refino. Mesmo considerando os desenvolvimentos contínuos na química das baterias, estima-se que a demanda de cobalto para os carros elétricos seja entre 10 e 25 vezes maior do que os níveis atuais até 2030. O pico do cobalto pode ser uma ameaça à indústria dos veículos elétricos.

Outra ameaça é a superprodução de carros elétricos, aumentando os engarrafamentos e a aumentando a demanda por mais materiais que significam mais agressão à natureza na extração e no descarte, como já alertou o economista britânico William Stanley Jevons (1835-1882). O Paradoxo de Jevons é uma expressão usada para descrever o fato de que o aperfeiçoamento tecnológico ao aumentar a eficiência com a qual se usa um recurso ou se produz um bem econômico, o mais provável é que aumente a demanda desse recurso ou produto. Jevons (1865), escreveu o livro “O Problema do Carvão”, observando que os motores mais eficientes da Revolução Industrial em vez de reduzir, aumentaram o uso total do carvão: “É um completo engano supor que um uso mais eficiente dos combustíveis implicará numa redução do seu consumo. A verdade é precisamente o oposto” (p. 123).

O Paradoxo de Jevons é útil para realçar o fato de que à medida que as novas tecnologias conseguem elevar a eficiência de um dado recurso natural, o seu uso total pode aumentar ao invés de diminuir. Um exemplo deste fenômeno está na maior eficiência dos motores a combustão da industria automobilistica, já que os carros do século XXI são muito mais econômicos no uso do combustível do que os modelos da década de 1970, mas o consumo global de gasolina não parou de aumentar. O mesmo pode acontecer com os carros elétricos – que serão mais eficientes e menos poluidores – mas que podem fazer a demanda total de energia aumentar, mesmo no caso de se conseguir um matriz energética baseada em fontes renováveis, mas nunca totalmente limpas e jamais capazes de evitar a lei da entropia.

Indubitavelmente, o mundo está passando por uma mudança em sua matriz energética e na indústria automobilística. O predomínio do petróleo está começando a ficar para trás (embora ainda falte um longo caminho a ser trilhado) e as energias renováveis e os carros elétricos estão assumindo a liderança. Isto é uma boa notícia para o clima, pois as energias renováveis emitem menor proporção de gases de efeito estufa. Mas, como alertou o ambientalista Ted Trainer (2008), as energias renováveis não são suficientes para manter a expectativa das pessoas por um alto padrão de consumo conspícuo.

Ou como disse Mahatma Gandhi: “Há recursos suficientes no mundo para as necessidades do ser humano, mas não para a sua ambição”. Se cada cidadão do mundo tiver a ambição de possuir um carro elétrico, não haverá tecnologia que dê conta de resolver os problemas derivados dos efeitos deletérios do modelo “Extrai-Produz-

Descarta”, que tantos males ambientais têm causado ao Planeta. Manter a insana máquina de acumulação de capital e de expansão do consumo é o caminho mais curto para o abismo.

Referências:

ALVES, JED. Transição dos carros de combustão interna para os veículos elétricos: uma mudança de época, Ecodebate, 26/07/2017

Ted Trainer. Renewable Energy Cannot Sustain a Consumer Society, Springer, 2007

Global EV Outlook 2018, IEA, May 2018

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A transição acelerada para os veículos elétricos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV