Ayotzinapa, três anos e a agonia da falta de respostas

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco propõe um sistema econômico mais justo e sustentável

    LER MAIS
  • Em busca da funda de Davi. Uma análise estratégica da conjuntura

    LER MAIS
  • Por que Tagle é o novo “herói papal” do Oriente

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Lara Ely | 27 Setembro 2017

Esta semana completam-se três anos da desaparição dos 43 estudantes de Ayotzinapa, no Estado de Guerrero (México), o caso de violência que ficará marcado como o mais grave e com mais consequências políticas para a gestão de Enrique Peña Nieto, do PRI.

O massacre ocorreu na Escola Normal Rural Raúl Isidro na cidade de Iguala. De acordo com relatórios oficiais, os estudantes tinham viajado para realizar um protesto para o que consideravam práticas de contratação e financiamento discriminatórias por parte do governo.

A versão oficial e a principal linha de investigação apontam somente para as autoridades e criminosos locais. O prefeito, irritado porque a parada dos estudantes em Iguala teria como objetivo atrapalhar o ato de lançamento da candidatura de sua mulher, havia pedido à polícia local que os contivesse. Ainda segundo esta versão, os policiais teriam capturado o grupo e os entregado ao cartel Guerreros Unidos. Estes teriam matado os garotos e depois queimado seus corpos num lixão.

A gravidade deste caso, entre tantos enfrentamentos violentos da guerra do Estado mexicano ao narcotráfico, reside naquilo que expõe: o fato de que, no interior do país, há um vínculo fortíssimo entre autoridades regionais, cartéis e forças de segurança. Não é de hoje que se acumulam acusações de que os cartéis financiam boa parte das campanhas de prefeitos e governadores.

"Depois de uma longa investigação, concluiu-se que as crianças foram mortas por soldados e paramilitares no cantão de El Sitio del Arcatao, Chalatenango, durante a operação militar conhecida como "la chinda de mayo ", especificou a Comissão Nacional de Pesquisa em um comunicado emitido em 2015.

Um ano depois, o caso havia levado ao desgaste da imagem do presidente Enrique Peña Nieto, investigado por dois grupos internacionais de especialistas em crimes contra os direitos humanos. O assunto foi manchete dos principais meios de comunicação de todo o mundo, recebeu orações do Papa, foi tema de reuniões das Nações Unidas e somava, até o no ano passado, 130 prisões, 422 resoluções judiciais, 850 depoimentos, 1.651 atuações de peritos e um registro babilônico de 240 volumes e 250 mil páginas.

No aniversário de dois anos do caso, o jornal El País fez uma ampla cobertura na qual se destaca um vídeo com tecnologia 360º do caso Ayotzinapa. A gravação permite a visualização integral dos principais cenários do caso. Desde a escola normal rural de Ayotzinapa e palco das primeiras mortes em Iguala até o polêmico lixão de Cocula, onde, segundo a versão oficial, os estudantes foram assassinados e queimados.

Felipe de la Cruz, porta-voz dos pais dos 43 nortistas desaparecidos, disse que o governo de Enrique Peña Nieto ainda não cumpre as recomendações do Grupo Interdisciplinar de Peritos Independentes.

"A próxima terça-feira marca o terceiro aniversário do desaparecimento dos meninos e o caso continua em impunidade", disse ele.

 

Leia mais 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ayotzinapa, três anos e a agonia da falta de respostas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV